Tempo
|
A+ / A-

Depois dos professores, os outros. Sindicatos querem igualdade de tratamento na função pública

03 mai, 2019 - 10:21 • Redação com Lusa

Secretário-geral da CGTP defende "o respetivo pagamento sem retroativos, mas numa perspetiva de futuro". O Governo "não pode justificar que não tem dinheiro", diz Arménio Carlos.

A+ / A-

Veja também:


O secretário-geral da CGTP considerou, esta sexta-feira, "justa" a aprovação pelos partidos políticos da contabilização total do tempo de serviço congelado os professores e defendeu o princípio de igualdade de tratamento para todos os trabalhadores da administração pública.

O Parlamento aprovou na quinta-feira - com os votos contra do PS - uma alteração ao decreto do Governo estipulando que o tempo de serviço a recuperar aos professores serão nove anos, quatro meses e dois dias.

"A decisão que foi tomada pelos partidos da Assembleia da República foi justa, repôs aquilo que é justo aos professores e dá a hipótese de se programar a discussão no tempo", disse à agência Lusa Arménio Carlos.

No entendimento do secretário-geral da CGTP, este problema podia ter sido resolvido há muito tempo, mas o Governo "teimosamente manteve uma posição inadmissível".

"Quanto ao futuro, parece-nos que, iniciado o processo para resolver o problema da contagem de tempo dos professores, é preciso também avançar com o princípio da igualdade de tratamento relativamente a todos os profissionais da administração pública", salientou.

De acordo com Arménio Carlos, o Governo deve abrir um espaço de discussão para que também os serviços de todos os trabalhadores da administração pública possam ser considerados e programados.

"Deve ser feito o respetivo pagamento sem retroativos, mas numa perspetiva de futuro", disse. Na opinião de Arménio Carlos, o Governo "não pode justificar que não tem dinheiro".

"O mesmo Governo que diz não ter dinheiro para responder a compromissos que tem com os trabalhadores da administração pública é o mesmo Governo que ainda recentemente disponibilizou sem pestanejar mais de mil milhões de euros para o Novo Banco, um banco privado", destacou.

"Se tivermos em consideração o que se passou nos últimos cinco anos, o que constatamos é que os impostos pagos pelos portugueses, cerca de 20 mil milhões de euros, foram desviados para a banca privada. Isso é que está mal, porque estes bancos, enquanto tiveram lucros, distribuíram dividendos pelos acionistas quando deram prejuízos por fraudes e mau gestão acabaram por apresentar a fatura aos contribuintes isso é que não pode acontecer", frisou.

Segundo o secretário-geral da CGTP, o Governo tem de respeitar os direitos dos trabalhadores que todos os dias zelam e trabalham para melhorar a qualidade dos serviços públicos e isso "justifica a posição, quer do princípio da igualdade de tratamento, quer da valorização e reconhecimento do seu papel ao serviço das populações".

O Governo e o PS têm considerado que a solução agora aprovada pelo parlamento terá "pesado" impacto financeiro nas contas públicas, entre 600 e 800 milhões ao ano, apresentando também problemas de constitucionalidade.

UGT diz que solução para professores abre expectativas para restantes carreiras

“A UGT está satisfeita com esta decisão, que é o respeito pelas legitimas expectativas de quem lhes foi sonegado o direito de verem o seu tempo de trabalho contado para todos os efeitos, seja de carreira, seja de reforma”, disse o secretário-geral da UGT à Lusa.

Na opinião de Carlos Silva, com esta aprovação pelos partidos na Assembleia da República está reposta a legalidade. “Esperemos que agora o Governo não encontre pelo meio armadilhas para se furtar a esta decisão parlamentar”, disse.

Carlos Silva reiterou a disponibilidade dos sindicatos para negociar e encontrar uma plataforma de entendimento para ver como o Governo pode pagar. Disse ainda que a decisão vem abrir expectativas para as “chamadas 17 carreiras da administração pública”.

FESAP também reclama tratamento idêntico para outra carreiras

Também o secretário-geral da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abrãao, em declarações à Renascença, considera que o tempo de contagem das outras carreiras deve também ser corrigido.

"O que a FESAP sempre considerou que o tempo todo de todas as carreiras devia contar para efeitos de progressão para cada trabalhador. Portanto, se é verdade para os professores agora também tem que se corrigir o diploma que apenas contava 70% para as outras carreiras e são mais 16", afirmou Abraão.

Depois de mais de um ano de negociações entre sindicatos e Governo, o executivo aprovou um diploma que previa a recuperação de menos de três anos de serviço e que foi esta quinta-feira alvo de alterações.

Na reunião de quinta-feira ficou estabelecido que os cerca de dois anos e nove meses serão recuperados em 2020, com efeitos retroativos a janeiro deste ano.

Já a forma de recuperação dos restantes seis anos e meio ainda será alvo de negociação entre o Governo e os sindicatos de professores.

O primeiro-ministro convocou com caráter de urgência uma reunião extraordinária de coordenação política do Governo, que se realiza esta sexta-feira de manhã, na sequência da aprovação no parlamento da contabilização total do tempo de serviço congelado aos professores.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+