A+ / A-

Bispo de Bragança-Miranda chocado com o desprezo aos idosos

23 abr, 2019 - 16:13 • Olímpia Mairos

D. José Cordeiro escreve aos idosos da sua diocese. Agradece o testemunho de vida e encoraja-os a serem “sentinelas do mundo”. O prelado critica também a mentalidade que trata a velhice “como um incómodo”.
A+ / A-

O bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, declara numa carta dirigida aos idosos da diocese que o chocam “as manifestações de desprezo de idosos, o abandono destes em casa ou em lares, muitos dos quais apenas perseguindo o lucro económico, não considerando nem promovendo o capital de vida e de conhecimento experimentado”.

O texto começa por lembrar que na Bíblia “a velhice é encarada como uma bênção”, ao contrário do que acontece na sociedade atual, onde, por vezes, “a velhice se torna objeto de contradição, tida como um incómodo, como uma declinante fase da vida”, por ser associada à doença, à debilidade, à incapacidade e à improdutividade.

Na carta que lhes dedica, D. José Cordeiro assegura aos idosos que conta com cada um “para a construção de uma sociedade mais justa, mais pacífica e mais fraterna” e convida-os a serem “sentinelas do mundo” e a assumirem um papel ativo na Igreja e na sociedade: “A palavra invalidez não pode, de modo nenhum, caracterizar esta fase da vossa vida, simplesmente porque esta palavra não pode caracterizar aqueles que amam”.

O bispo de Bragança-Miranda, que tem encontrado muitos idosos durante a visita pastoral que está a cumprir às instituições sociais da Igreja, diz-se interpelado e solidário com os sofrimentos e apreensões que tem acolhido e a todos assegura afeto e oração.

“Sabei que vos lembro com carinho e apresento ao Senhor, com particular atenção, todos os que viveis em situação de doença e maior fragilidade física, os que experimentais a solidão e a incompreensão, a frieza das distâncias, os efeitos da pobreza, os temores e as incertezas perante o amanhã”, assegura o prelado, realçando que “Cristo é a garantia da juventude da alma” e que “Deus dá-nos a capacidade de regenerar a nossa esperança na fonte do seu amor”.

“Lembro-me de tantos de vós que vivem a cruz da solidão e do sofrimento com um sentido redentor (…). Agradeço-vos, do coração, este testemunho de sabedoria e registo na mente e no coração os momentos felizes em que pude sentir-me enriquecido com a vossa fé e perseverança”, escreve o bispo transmontano.

A terminar a mensagem, o bispo de Bragança-Miranda faz saber aos idosos que “Jesus Cristo e a Igreja continuam a desafiar à vigilância da fidelidade, mesmo se este convite é feito no meio da fragilidade humana”.

“Sede sentinelas deste nosso mundo em peregrinação para a plenitude que só se alcança em Deus; agi nele com aquele poder invencível que nos vem do amor, com aquela misteriosa força que é a oração”, conclui o bispo de Bragança-Miranda.

Na diocese de Bragança-Miranda há 14 Santas Casas da Misericórdia, 50 centros sociais e paroquiais, seis fundações canónicas e a Cáritas Diocesana. O que significa que cerca de 70% das IPSS do distrito de Bragança estão ligadas à Igreja Católica.

D. José Cordeiro iniciou em dezembro uma visita pastoral por todas as IPSS canónicas, visita que se vai prolongar até novembro. O objetivo do prelado é fazer um acompanhamento mais próximo de cada uma delas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Fagundes
    24 abr, 2019 Ermesinde 13:41
    Tenho um enorme apreço por este Bispo porque simplesmente me respondeu a uma queixa que eu lhe fiz directamente e passo a citar É usual nas igrejas do distrito de Bragança aquando de um mortuário a Junta Fabriqueira levar €20,00 pelo tempo que o caixão passa na igreja (30 a 30 minutos) questionado o Sr. Bispo o mesmo foi muito parentório em me informar que isso era totalmente contra as leis da igreja e de Deus e pediu ao Sr, padre da minha freguesia para me devolver a tal quantia o que veio a fazer. No entanto e passados 3 anos continua a mesma prática nas igrejas desse Distrito a minha pergunta e relacionada com a noticia quando é que acaba esses disparate em relação ao idosos??