A+ / A-
Estudo

Angola, Tunísia ou Brasil estão mais baratos para o turista português. República Dominicana, Cuba ou EUA são viagens que deve adiar

17 abr, 2019 - 18:32 • Sandra Afonso

Com as mini-férias da Páscoa à porta e fins-de-semana prolongados, devido à aproximação de alguns feriados, muitos aproveitam para viajar. Nesta altura, um dos principais critérios é a praia e o sol, poucos pensam no efeito do câmbio nas despesas finais, mas pode fazer diferença.
A+ / A-

A verdade é que os custos da mesma viagem podem variar de ano para ano, só com o câmbio das moedas, que faz com que o viajante perca ou ganhe poder de compra. Neste caso, a valorização das moedas da República Dominicana, Cuba e EUA tornaram estes países, que estão entre os preferidos dos portugueses nos últimos anos, menos atractivos.

Segundo a Ebury, uma fintech especializada em câmbio, no último ano o euro caiu mais de 6% em comparação com o peso dominicano. A moeda cubana também não favorece o câmbio com a moeda única, o peso cubano valorizou mais de 8%. Viajar para os Estados Unidos ficou ainda mais caro, o dólar valorizou no mesmo período mais de 8,5%. Ou seja, os portugueses e todos os cidadãos da zona euro estão a pagar mais nestes destinos, porque o euro está a valer menos.

Em alternativa, a Ebury sugere outros três destinos, que estão também entre os mais procurados pelos portugueses, mas que neste momento até permitem gastar menos.

Em Angola, um país com uma grande comunidade portuguesa, o euro está a valer este ano quase 35% mais que o Kwanza angolano. Um destino também procurado pelas praias e pelo calor, a Tunísia, está também mais barato. Os dinares tunisinos perderam 13% do valor, face ao euro, de 2018 para 2019. Com menos ganho, mas ainda assim um destino mais atrativo, destaca-se o Brasil, onde o real continua a desvalorizar e o euro já vale mais 11% que a moeda brasileira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.