A+ / A-
Crise de combustíveis

Uber e outros transportes alternativos preveem "caos" dentro de dois dias

17 abr, 2019 - 15:50 • Agência Lusa

Se greve dos motoristas de matérias perigosas continuar, muitas das viaturas podem ficar paradas, avança ANPPAT.
A+ / A-

Veja também:


A Associação Nacional de Parceiros das Plataformas Alternativas de Transporte (ANPPAT), que integra serviços como a Uber, prevê que o setor "fique caótico" e "muitas das viaturas fiquem paradas" se a greve dos motoristas de matérias perigosas continuar.

De acordo com o presidente ANPPAT, João Pica, o setor "irá ser afetado, sem qualquer dúvida".

A associação, que reúne mais de 40 empresas parceiras das plataformas alternativas aos táxis, admitiu que "há poucas alternativas a este problema da falta de combustível nos postos de abastecimento".

"Há poucos carros elétricos e não são suficientes para satisfazer as necessidades da população", lamentou o dirigente, em declarações à agência Lusa.

O presidente da ANPPAT sublinhou ainda que a situação vai causar "uma grande mossa nos serviços de mobilidade urbana".

Quanto à greve em curso, a associação posiciona-se como apoiante e "de acordo", apesar de achar que "os motivos não deviam ser apenas os maus salários, o risco da profissão e as horas extra não pagas, mas também o abuso nos preços dos combustíveis no país".

"Portugal é dos países com os preços nos combustíveis mais altos e esse assunto devia ser também referido ainda nesta greve", concluiu.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 00:00 de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Após a requisição civil, os militares da GNR mantiveram-se de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível pudessem abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

Gerou-se a corrida aos postos de abastecimento de combustíveis, onde, em muitos casos, já não há gasóleo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.