A+ / A-

Já há empresas de pronto-socorro paradas por falta de combustível

17 abr, 2019 - 14:47 • Sandra Afonso com redação

Alerta é da Associação Nacional do Ramo Automóvel, que teme "fortes constrangimentos na circulação" rodoviária que podem pôr em causa "a segurança de pessoas e bens".
A+ / A-

Veja também:


Já há empresas de pronto-socorro paradas por falta de combustível, uma informação avançada esta quarta-feira pela Associação Nacional do Ramo Automóvel (ARAN).

"É do conhecimento da ARAN de que há já várias empresas de pronto-socorro a nível nacional sem acesso a combustível para abastecer a sua frota de reboques, podendo estar na iminência uma paralisação forçada da prestação destes serviços", lê-se no comunicado enviado às redações.

A associação em causa receia diz que o país corre um "risco elevado" de ficar sem assistência na estrada a veículos acidentados, avariados ou imobilizados devido à paralisação forçada das empresas de pronto-socorro na sequência da falta de combustível.

"A paralisação da atividade de pronto-socorro por falta de acesso ao combustível pode originar fortes constrangimentos na circulação, pondo em causa a segurança rodoviária, de pessoas e bens."

A ARAN exige, assim, "uma ação imediata por parte do Governo", e que garanta que o setor é prioritário no abastecimento de combustível, à semelhança do que já está a acontecer com emergência médica, forças de segurança e aeroportos.

Hoje mesmo a associação vai pedir uma reunião urgente com o primeiro-ministro e com o ministro-adjunto da Economia.

Seguradoras preocupadas

A Associação Portuguesa de Seguradoras também alerta que está a faltar combustível para veículos rebocadores e de transporte de pessoas que precisam de assistência.

O organismo garante, em comunicado, que está a fazer todos os possíveis para minimizar a situação, mas adverte que o prolongamento da greve tenderá a condicionar ainda mais a possibilidade de prestação de assistência.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    17 abr, 2019 évora 15:56
    Quando andaram a fazer as auto estradas e estádios de futebol vinham toneladas de combustível de Espanha abastecer a frota das empresas de construção civil ... porque não requisitam empresas em Espanha de transporte ?