A+ / A-
Crise dos combustíveis

Marcelo exige mais do Governo. "Não basta negociar a garantia de serviços mínimos"

17 abr, 2019 - 14:07 • Redação

Presidente da República defende alargamento da requisição civil a todo o país.
A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quer que o Governo tenha uma ação mais interventiva na greve dos motoristas de transportes de matérias perigosas. "O conflito é com privados mas mexe com o interesse público. Não basta negociar a garantia de serviços mínimos, é preciso começar a negociar a questão de fundo", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações ao jornal "Expresso".

Marcelo garante que está a acompanhar a situação, em permanente contacto com o primeiro-ministro, e espera do Executivo uma intervenção mais musculada na mediação do conflito. No imediato, e perante as pesadas consequências sociais desta greve, Marcelo espera particular atenção à eventual necessidade de alargar o âmbito da requisição civil.

O "Expresso" refere, por um lado, Belém vê com bons olhos que se alargue a requisição civil a todo o país, para garantir o fornecimento de combustível aos milhares de pessoas que planeavam "passar a Páscoa com as famílias". Por outro lado, a hipótese do Governo ter que subir um patamar no âmbito da requisição civil, para lá dos serviços mínimos, também agrada ao Presidente.

Nestas declarações ao semanário, Marcelo manifesta-se preocupado com o risco de este conflito alastrar a outros camionistas com cadernos reivindicativos que igualmente aguardam resposta.

O "Expresso" escreve ainda que para o Presidente é incompreensível que o Governo tenha desvalorizado a situação depois do pré-aviso de greve que data de 1 de abril. O argumento de que antecipar o alarido social não convinha a ninguém não convence Marcelo, que espera ver o Governo a intervir de forma mais ativa para que "a questão de fundo" - as reivindicações laborais em jogo - também comecem a ser desbloqueadas.

Está a ser afetado/a pela crise dos combustíveis? Partilhe connosco o que viu e viveu deixando o seu feedback nos comentários ou enviando as suas imagens para online@rr.pt.

"Isto não anda a água". Corrida aos combustíveis continua em Lisboa
"Isto não anda a água". Corrida aos combustíveis continua em Lisboa
Mini-férias de Páscoa aceleram corrida ao combustível
Mini-férias de Páscoa aceleram corrida ao combustível
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • a
    17 abr, 2019 portugal 15:24
    Marcelo, o que estás a fazer agora com o governo, devias de ter feito desde que ele foi constituído.