A+ / A-
Motoristas em greve

“Governo não pode fazer mais”. Rio defende executivo perante crise de combustíveis

16 abr, 2019 - 19:33 • Rui Barros, com Redação

Para o líder do PSD, o Governo fez o que era necessário. “Não posso exigir aquilo que não é exigível. Não estaria a ser sério.”
A+ / A-

Veja também:


O principal líder da oposição, Rui Rio, considera que o Governo não pode fazer muito mais para além de servir de intermediário na questão da greve dos motoristas de mercadorias perigosas que colocou metade dos postos do país sem combustível.

Em declarações aos jornalistas, Rui Rio defendeu que, para além da requisição civil, o Governo só pode servir de intermediário, e que o PSD não atacará o governo “em algo que não tem responsabilidade”.

"O Governo não pode fazer mais. Eu não vou atacar o governo em algo que o governo não tem responsabilidade", argumentou o líder do PSD.

“A greve pode prolongar-se, mas esperamos que o Governo tenha essa capacidade de intermediação para que dure o menos possível. Mas não estamos no sector público, estamos no domínio privado e, portanto, temos também de contar com o bom senso da entidade patronal e dos trabalhadores”, disse Rui Rio, admitindo que os combustíveis têm um papel fundamental na atividade do Estado, nomeadamente para os serviços de saúde, de segurança.

“Não posso exigir aquilo que não é exigível. Não estaria a ser sério”, acrescentou o líder da oposição, questionado pelos jornalistas se o Governo não deveria ter agido mais cedo para prevenir uma corrida aos postos de combustíveis.

Neste momento, calcula-se que metade dos postos de combustíveis do país estejam sem a matéria, o que está a gerar filas enormes em diversas cidades, mas sobretudo na Grande Lisboa e Grande Porto.

A greve está igualmente a afetar os aeroportos de Lisboa e de Faro, havendo até vários voos que, após descolarem de Portugal, estão a ser desviados para Espanha a fim de se abastecerem.

Pouco antes das 18h00, foi avançado que a GNR estava a preparar-se para escoltar camiões-cisterna de Aveiras de Cima, onde se localiza a Companhia Logística de Combustíveis, até ao aeroporto de Lisboa, isto já depois de a TAP ter confirmado que ativou um plano de contingência para minimizar "ao máximo" o impacto da greve dos motoristas de transporte de matérias perigosas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ramiro Silva
    17 abr, 2019 09:05
    Estas são palavras de um homem com sentido de Estado. Não sou do PS, muito menos dos partidos à sua esquerda, sou um cidadão que quer o melhor para o País e por isso só posso aplaudir quem pensa como eu.