A+ / A-
Paris

Notre Dame em chamas. "Existem perdas irrecuperáveis", garante especialista em conservação

15 abr, 2019 - 20:52 • Redação

"Infelizmente hoje não foi possível evitar a destruição avassaladora", que "parte o coração" a todos, diz à Renascença Marlene Maia, da Dalmática.
A+ / A-

Veja também:


Foi com emoção que Marlene Maia, da empresa portuguesa Dalmática, especializada em conservação e restauro, assistiu às imagens do fogo que esta segunda-feira consumiu a Catedral de Notre Dame, em Paris.

“Naturalmente que, como a qualquer cidadão comum, são sempre imagens chocantes", diz à Renascença. "No caso particular de quem lida diariamente com património, estamos todos a viver isto, nem sei, com muita tristeza. Quem lida com património – conservadores, restauradores – respeita muitíssimo o legado dos nossos antepassados, património com centenas de anos. Nós não conseguimos, neste momento, esconder nem conter a nossa emoção. Realmente o que se está a passar em Paris é avassalador. Parte o coração de qualquer um.”

A Dalmática esteve recentemente à frente do restauro do retábulo-mor da Catedral Metropolitana do Panamá.

Num trabalho desta dimensão, mais a mais em edifícios que são património classificado, Marlene garante que as regras de segurança são muitas e apertadas, razão pela qual explica que o incêndio desta tarde em Notre Dame “não é comum”.

“Não é e ainda bem. Para as empresas que participam em atos de conservação e restauro – sobretudo em património classificado pela Unesco – há toda uma série de regras que devem ser seguidas à risca e que são parte de um plano muito rígido de higiene e segurança no trabalho, que tem de ser respeitado, para salvaguardar o edifício e toda a arte nele integrada", explica.

"Causa-nos, de facto, alguma surpresa que isto tenha acontecido. Seguramente foi um acidente, um acidente que não conseguiu ser imediatamente controlado”, lamenta Marlene Maia.

A pergunta que agora se impõe é: mesmo tendo sido respeitado o plano de segurança, o que é que pode ter estado na origem do incêndio? À partida, um curto circuito, dizem fontes no local, uma opinião partilhada pela especialista. A procuradoria de Paris já abriu um inquérito oficial ao incidente para perceber.

“Várias coisas podem acontecer. Mas é provável que as pessoas em causa pudessem estar a trabalhar com materiais inflamáveis, com químicos. Seguramente deverão ter sido feitas instalações elétricas, eventualmente poderiam estar a funcionar ares condicionados ou máquinas elevatórias, há todo um sem-número de coisas que realmente em obra podem correr mal. Mas há também todo um sem-número de regras que é suposto seguir para evitar ao máximo que males aconteçam. Infelizmente hoje não foi possível.”

Quando, por fim, se dominar e circunscrever o incêndio na catedral, será tempo de avaliar os estragos e partir para a recuperação. Mas haverá o que recuperar?

“Ainda estamos numa fase muito precoce de avaliação", conclui Marlene Maia. "Parece-me que, ao nível do edificado, existem perdas irrecuperáveis. A queda impressionante do pináculo da torre maior e mais esguia da catedral é um facto. Eventualmente poderá ser feita uma reconstrução seguindo os moldes antigos. Não sabemos exatamente se dentro da catedral o património integrado terá sido afetado ou não."

A isso poderão juntar-se danos "colaterais" causados pela força das águas no combate às chamas, adianta a especialista. "A própria força da água das mangueiras acaba também por provocar danos em pinturas, esculturas, retábulos, tectos entalhados, vitrais, todo esse património riquíssimo pode também ter sofrido danos.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.