A+ / A-

O Porto “não é uma diocese de meter ao bolso", diz D. Manuel Linda

15 abr, 2019 - 11:05 • Redação com Ecclesia

D. Manuel Linda faz o balanço do primeiro ano como bispo do Porto. Ao fim de 365 dias, D. Manuel reconhece dificuldades em "conciliar o estar no gabinete e andar pelas ruas". Sobre processos de canonização futuros ou a decorrer, fala em novidades “para breve”, nomeadamente em relação ao padre Américo.
A+ / A-

O bispo do Porto, D. Manuel Linda, está há um à frente da diocese, tendo já passado pelas 22 vigararias existentes.

O bispo confessa que a realidade da diocese nem sempre lhe tem permitido fazer o que gostaria. "Aquilo que eu imaginei antes de entrar na realidade da diocese era de privilegiar o encontro com os mais afastados, as periferias geográficas, mas a realidade impôs-me outras razões que têm de ser tantas vezes no gabinete a despachar papéis, a ler dossiers e tudo isso", diz, em entrevista à agência Ecclesia.

D. manuel sublinha que o Porto “não é uma diocese de meter ao bolso", mas sim "uma diocese que, nas suas instituições eclesiais, civis e demais, é um mundo de referências”.

Para o bispo do Porto, o governo da diocese tem de ser feito em equilíbrio, entre o estar no gabinete e andar pelas ruas.

Ao chegar à diocese, foi necessário “alienar” património que, indica, “estava já pensado” para equilibrar contas, optando por “reduzir despesas” e “manter o rumo”.

O bispo do Porto assegura ainda “relações protocolares” e de “forte amizade” com as 28 autarquias que estão na diocese. “Se andar sempre na rua, é simpático para as pessoas, mas não se governa; se estiver sempre no gabinete, serei ser um executivo, mas não um pastor. Conciliar as duas é uma arte. Não sei se o consigo a 100%”, admite.

Nos próximos três anos, a diocese quer investir na formação cristã dos jovens e adultos para contrariar um “catolicismo de herança” e uma formação catequética que “não dá a 100% os resultados esperados”.

Nesta entrevista, D. Manuel Linda destaca ainda o trabalho de movimentos de jovens e universitários e da pastoral familiar, “muito dinâmica e criteriosa”.

Processos de canonização com novidades "para breve"

Sobre processos de canonização futuros ou a decorrer, o bispo do Porto diz que haverá "boas notícias para breve", em particular no caso do padre Américo.

"Quanto ao D. António Barroso, segue em velocidade de cruzeiro, embora agora esperamos que ele faça a sua parte, que é o milagre. Vamos todos rezar muito ao D. António Barroso. Sobre Sílvia Cardoso, está na Congregação da Causa dos Santos e bem adiantada, embora talvez dos três é a que está mais atrasada”, adianta à Ecclesia.

Questionado sobre um eventual processo de canonização de D. António Francisco dos Santos, o atual bispo do Porto indica a importância da distância temporal a uma “emoção típica, de uma morte inesperada”, mas que atuará se assim se justificar.

D. Manuel Linda tomou posse como bispo do Porto no dia 14 de abril de 2018 e, no dia seguinte, foi apresentado à Diocese, na Eucaristia a que presidiu na catedral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.