A+ / A-

Reitores querem ver mais doutorados nas empresas

07 abr, 2019 - 15:30 • Redação

A média europeia é de 35% de doutorados a trabalhar nas empresas, mas em Portugal o número não passa dos 3%.
A+ / A-

Os reitores portugueses dizem que a economia nacional saía a ganhar se houvesse mais doutorados nas empresas.

Com esse objetivo, pedem ao Governo que crie incentivos – sejam benefícios fiscais ou fundos europeus – para quem contrate doutorados.

António Fontaínhas Fernandes, presidente do Conselho de Reitores, defende também mudanças ao nível da formação, sugerindo “aumentar a dinâmica de interação entre os centros de investigação, as universidades e as empresas.”

“Esse formato poderá ser um dos meios a apoiar e que permitirá a inserção de doutorados em empresas, mas também que os futuros doutores se formem já em contexto mais ligado a organizações, à sociedade e às próprias empresas, além de uma melhor utilização de fundos comunitários.”

Segundo o presidente do Conselho de Reitores, Portugal está muito longe da média europeia no que diz respeito à integração de doutorados nas empresas.

“Consideramos que, tendo Portugal um número elevado de doutorados, era importante que não ficassem apenas nas academias – este não é um problema dos centros de investigação e das universidades – e que possam ser um fator determinante para o aumento da produtividade da economia portuguesa.”

“Basta reparar que enquanto na generalidade dos países europeus 35% dos doutorados trabalham em empresas, em Portugal este número é de apenas 3%, portanto é imprescindível criar condições para a mobilidade dos doutorados”, diz.

Estas são questões que vão estar em debate na III sessão da Convenção do Ensino Superior 2020-2030, na terça-feira, na Reitoria da Universidade do Porto.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.