Tempo
|
A+ / A-

Notícia Renascença

Há acordo. Militares voltam a poder ser atendidos nos hospitais CUF

02 abr, 2019 - 16:47 • Ana Rodrigues , Cristina Nascimento

Grupo José Mello Saúde foi o primeiro a concretizar a prometida suspensão dos acordos com a ADM, entretanto suspensa. A 15 de abril militares poderão deixar de poder ir às unidades do grupo Luz Saúde.

A+ / A-

O IASFA - Instituto de Acção Social das Forças Armadas e o Grupo José Mello Saúde chegaram a acordo para que os militares possam continuar a ir a consultas e a fazer exames médicos nos hospitais da rede CUF, um dia depois de a Renascença ter noticiado a suspensão do acordo entre o privado e a ADM.

Ontem, a José Mello Saúde, detentor dessas unidades privadas, concretizou a ameaça de suspender o acordo para a prestação de cuidados de saúde aos beneficiários da Assistência na Doença aos Militares (ADM). Um dia depois, a Renascença apurou esta terça-feira que as partes chegaram a acordo e que os militares podem assim voltar a receber assistência médica nestas unidades.

"O IASFA, I.P., informa que o Grupo José de Mello Saúde decidiu levantar a suspensão do acordo para a prestação de cuidados de saúde aos beneficiários do Subsistema Público de Assistência na Doença aos Militares (ADM), que estava prevista a partir de 1 de abril de 2019", lê-se no comunicado, disponível no site do IASFA.

A suspensão do acordo tinha sido avançado à Renascença, pelo presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA). A CUF foi a primeira a concretizar a prometida suspensão dos acordos com a ADM, depois da semelhante situação com a ADSE, o subsistema de saúde dos funcionários públicos, que foi entretanto revertida.

De acordo com informações da AOFA, "no dia 15 de abril será a vez de o grupo Luz Saúde deixar de atender militares" ao abrigo da convenção com a ADM, agora suspensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+