|
A+ / A-

​João Vieira Pereira é o novo diretor do Expresso, David Dinis será o número dois

28 mar, 2019 - 13:56 • Redação

Paula Santos, Martim Silva, Miguel Cadete e Marco Grieco integram também a nova direção. Pedro Santos Guerreiro, anterior diretor, abandonou o semanário na quinta-feira passada.

A+ / A-

João Vieira Pereira, que ocupava o lugar de diretor-adjunto – com a responsabilidade pela área da Economia –, vai ser o novo diretor do Expresso, substituindo Pedro Santos Guerreiro, que abandonou a direção na semana passada. A informação foi confirmada à Renascença por fonte do semanário.

David Dinis, ex-diretor do Observador, da TSF e do Público, será, agora, o número dois da direção de Vieira Pereira.

A restante direção será composta por Paula Santos, que ocupava o cargo de editora-executiva, Martim Silva e Miguel Cadete, que foram diretor-executivo e diretor-adjunto, respetivamente, de Pedro Santos Guerreiro, e Marco Grieco, que se manterá como diretor de arte do Expresso.

Vieira Pereira chegou ao Expresso em 2006, tendo antes integrado as redações do Jornal de Negócios e do Semanário Económico, onde, neste último, foi diretor.

Pedro Santos Guerreiro abandonou o Expresso depois de uma reunião com o Conselho de Administração, na quinta-feira, apenas um dia depois de Vítor Matos, editor de política, ter apresentado a sua demissão do cargo em virtude de uma newsletter que o mesmo não escreveu ter surgido assinada por si (a decisão, Vítor Matos atribuiu-a a Pedro Santos Guerreiro) sem a autorização do editor de política – que, sabe a Renascença, se manterá, agora, no cargo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FP não 25 de Abril
    28 mar, 2019 Anti-Expresso 18:00
    Se já era um jornal Direitolas, agora com o anti-funcionário público a comandar, vai fazer o Observador parecer Centro-Esquerda. Felizmente é um pasquim que só me serve para embrulhar peixe ...