A+ / A-

Figuras públicas conversam sobre Deus com Maria João Avillez

27 mar, 2019 - 14:28 • Ana Lisboa

A primeira conversa acontece esta quarta-feira na igreja do Campo Grande, em Lisboa, com Maria Rueff.
A+ / A-

Vão voltar as conversas da jornalista e escritora Maria João Avillez com figuras públicas. Como tema central, uma pergunta “E Deus nisso tudo?” – uma interpelação que achou “que seria muito interessante”, não só para os seus convidados como para quem assistir às conversas.

“Falarmos de Deus e da figura de Jesus Cristo com proximidade. Isto é, pessoas que têm responsabilidades públicas na sociedade civil, no campo das artes, da política, do conhecimento, etc, e que têm também uma vida cristã, uma vida com preocupações de prática da fé, com uma relação com o transcendente, com o sagrado. E, então, pensei que era importante perguntar-lhes como é que lidam com a sua fé, com a necessidade, se têm ou não, de dar testemunho dela, como é que se concilia uma vida de responsabilidades públicas com a coerência de uma prática da fé”, explica à Renascença.

No entanto, estas conversas não são “só do domínio do religioso ou da relação com o sagrado. São uma viagem que eu farei com essa pessoa através da vida dela, mas sempre com Deus lá dentro”, garante Maria João Avillez.

A primeira conversa acontece esta quarta-feira, às 21h30, com a atriz Maria Rueff.

A escolha dos convidados assentou no “critério de juntar duas coisas: pessoas respeitadas do ponto de vista público, ou seja, podendo concordar-se ou não politicamente ou intelectualmente com elas, mas são respeitadas aos olhos do cidadão comum. Isto por um lado. Depois, eu saber que são pessoas que acreditam em Deus, que têm Deus presente nas suas vidas, que praticam os sacramentos, que têm fé, que são católicas”.

Os 12 convidados são das mais distintas áreas. Por exemplo, o advogado e conselheiro de Estado António Lobo Xavier, a reitora da Universidade Católica Portuguesa Isabel Capeloa Gil, o deputado do Bloco de Esquerda José Manuel Pureza, a maestrina Joana Carneiro, o musicólogo Ruy Vieira Nery, entre muitos outros.

Maria João Avillez admite ainda que gostava que estas conversas “tivessem um lado confessional, o currículo da pessoa, mas com Deus lá dentro”.

Até 5 de junho, a entrada é livre e não é preciso fazer qualquer inscrição. Basta aparecer na Igreja do Campo Grande, em Lisboa. As conversas acontecem sempre às quartas-feiras à noite, com exceção da terceira sessão, que irá decorrer numa segunda-feira, 8 de abril.

A Renascença é a rádio parceira desta iniciativa, que começou em 2015, na Capela do Rato, também em Lisboa. O tema era apenas “Deus” e Marcelo Rebelo de Sousa, Assunção Cristas, Maria de Belém, Jorge Silva Melo, Fernando Santos, Pedro Mexia, Carminho, Henrique Monteiro e João Taborda da Gama foram os convidados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • me too
    29 mar, 2019 22:20
    Há uns anos esta senhora conduziu uns depoimentos na capela do rato. Agor será que vão ser gravados com a intenção de tanta gente neste país poder ouvir testemunhos de vidas? O Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura publicou-os no youtube aonde podem ser vistos ainda hoje. Pensem na missão da renascença. Obrigado