A+ / A-
Boaventura Sousa Santos

Caso Rui Pinto. "A justiça portuguesa está a atuar com excesso de zelo"

21 mar, 2019 - 19:09 • Henrique Cunha

"Atentado à democracia são os negócios escuros ilegais e a corrupção endémica que habita o nosso sistema", defende o presidente do Observatório da Justiça.
A+ / A-

Leia também:


O presidente do Observatório da Justiça, Boaventura Sousa Santos, admite que "a justiça portuguesa está a atuar com excesso de zelo" no caso Rui Pinto.

Boaventura Sousa Santos defende que o caso "não devia ser tratado como particularmente grave" e afirma que "dá a ideia de que a justiça portuguesa está a entrar na paranoia internacional de que estas pessoas são um atentado à democracia".

Na opinião de Sousa Santos, os crimes de que Rui Pinto é acusado "não são um atentado à democracia". "Atentado à democracia são os negócios escuros ilegais e a corrupção endémica que habita o nosso sistema", diz.

Para o presidente do Observatório da Justiça este caso "não devia ser dramatizado", pois "a atividade considerada criminosa não tem por objetivo final cometer crimes mas impedir que outros crimes se cometam e trazer à luz outros crimes".

O denunciante do Football Leaks chegou esta quinta-feira a Portugal. O avião que transportava desde Budapeste, Hungria, o pirata informático Rui Pinto aterrou em Lisboa 3 minutos antes das sete da tardeç

Rui Pinto é acompanhado por agentes da Policia Judiciária e depois de pernoitar nas instalações da PJ, deve ser presente amanhã a um Juiz do tribunal de Instrução Criminal.

O denunciante do "Football Leaks" é suspeito de crimes informáticos e tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen e a sua extradição decorre de um pedido das autoridades nacionais. Rui Pinto chega a Portugal numa altura em que colabora com as autoridades judiciais de vários países europeus, como a Suíça e a França.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.