|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Extradição completa. Rui Pinto já está em Portugal

21 mar, 2019 - 19:01 • Redação

O alegado "hacker" português chegou a Lisboa esta tarde, depois das autoridades da Hungria terem recusado o recurso do português.

A+ / A-

Leia também:


Extradição completa. Rui Pinto aterrou em solo português, esta quinta-feira, e foi entregue às autoridades lusas, depois de ter estado sob prisão efetiva na Hungria. O "whistleblower" embarcou no voo das 15h25, único voo que faz a ligação Budapeste-Lisboa.

Rui Pinto estava em prisão efetiva desde 5 de março, após ter apresentado recurso, com efeitos suspensivos, da decisão de extradição para Portugal. A 14 de março, as autoridades húngaras recusaram o recurso do português.

O "whistleblower" esteve em prisão domiciliária durante quase dois meses, desde o dia 18 de janeiro até dia 5 de março, dia em que apresentou recurso da decisão favorável de extradição. Rui Pinto foi detido após um mandado de detenção europeu emitido pelo Departamento Central de Investigação Penal (DCIAP).

Rui Pinto será agora conduzido até ao Estabelecimento Prisional anexo à Policia Judiciária, onde vai aguardar os primeiros interrogatórios. Primeiro, no DCIAP, e depois no Tribunal Central de Instrução Criminal, onde conhecerá as medidas de coação.

O alegado "hacker" português é acusado de seis crimes em Portugal: dois de acesso ilegítimo, dois de violação de segredo, um de ofensa a pessoa coletiva e outro de extorsão na forma tentada.

Em causa está o acesso ilegal aos sistemas informatos do Sporting e da "Doyen Sports", um fundo de investimento, e a divulgação de documentos confidenciais, como contratos de jogadores do Sporting e do então treinador Jorge Jesus, assim como de contratos celebrados entre a "Doyen" e vários clubes de futebol.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    21 mar, 2019 évora 23:04
    As provas que vão abalar Portugal estão em mãos seguras ... podem - no calar ... leiam o Expresso ...