A+ / A-
Terrorismo

Portugal não vai alterar nível de alerta após atentados na Holanda e na Nova Zelândia

18 mar, 2019 - 18:53 • Celso Paiva Sol com redação

Governo diz que nada justifica estratégia diferente.

A+ / A-

O Governo entende que não há motivos para alterar o nível de alerta da segurança interna em todo o território português na sequência dos atentados dos últimos dias, nomeadamente o tiroteio desta segunda-feira em Utrecht, na Holanda, e o ataque a duas mesquitas da Nova Zelândia no final da semana passada.

Aos jornalistas, o ministro da Administração Interna disse esta tarde que as autoridades nacionais não têm em sua posse informações que justifiquem mudanças na estratégia de combate e prevenção do terrorismo.

"Não existe, até hoje, qualquer indicação que aponte para comportamentos de risco em Portugal", garante Eduardo Cabrita".

"Aquilo que fazemos no plano de segurança interna é uma prevenção estreita envolvendo todas as entidades para que Portugal continue a ser considerado um dos países mais seguros do mundo. Não há nenhuma razão para alteração dos níveis de risco", garantiu ainda.

Esta segunda-feira de manhã, um homem identificado como um nacional turco de 37 anos, que foi entretanto detido pelas autoridades holandesas, abriu fogo num elétrico em Utrecht, provocando pelo menos três mortos e cinco feridos.

Na sexta-feira passada, um australiano levou a cabo um atentado contra duas mesquitas da Nova Zelândia, provocando pelo menos 49 mortos e outras tantas dezenas de feridos. As autoridades neozelandesas dizem acreditar que Brenton Tarrant é o único suspeito do ataque nacionalista de extrema-direita.

A Polícia Judiciária (PJ) já está a investigar a passagem do australiano pelo convento de Tomar, à semelhança dos inquéritos abertos por outros países europeus por onde o suspeito passou durante viagens recentes à Europa, entre eles a Bulgária.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.