A+ / A-

Milhares em Madrid a favor de políticos da Catalunha em julgamento

16 mar, 2019 - 00:00

O Tribunal Supremo espanhol está a julgar 12 envolvidos na tentativa independentista de 2017.
A+ / A-

Milhares de pessoas participam na manifestação de apoio aos políticos e ativistas da Catalunha que enfrentam julgamento em Espanha por alegados delitos de rebelião e sedição, segundo a agência de notícias americana Associated Press.

A organização fala em 120 mil manifestantes, chegados à capital espanhola em 450 autocarros, dez comboios e carros particulares, sobretudo oriundos da Catalunha, mas também do País Basco, Galiza e Andaluzia.

As autoridades espanholas mobilizaram para as ruas de Madrid cinco centenas de agentes, incluindo polícias antimotim, para acompanharem a manifestação convocada por mais de 60 associações e coletivos, a favor dos 12 dirigentes políticos separatistas catalães, que consideram “prisioneiros políticos”.

Na faixa que encabeça a marcha, pode ler-se “Autodeterminação não é crime”. “A autodeterminação não é um delito. Democracia é decidir" são os lemas da marcha, que partiu de Atocha e desembocou na praça Cibeles.

Em declarações à comunicação social, antes do protesto, o presidente da Generalitat, governo catalão, instou as autoridades centrais espanholas a pensaram no que leva “tanta gente a apelar para o direito à autodeterminação”.

Considerando que está em curso um “julgamento-farsa”, Quim Torra pediu ao governo central espanhol que escute os “gritos de liberdade” dos manifestantes. "Não vamos parar, nem nos vão parar”, avisou, citado pela agência espanhola Efe.

O Tribunal Supremo espanhol está a julgar 12 envolvidos na tentativa independentista de 2017.

Após o referendo sobre a independência, proibido pela justiça central, realizado em outubro de 2017, os separatistas catalães proclamaram uma república catalã independente, decisão que levou o executivo de Rajoy a destituir Carles Puigdemont e a dissolver o parlamento regional.

Porém, as eleições regionais realizadas em dezembro do mesmo ano voltaram a ser ganhas pelos partidos independentistas.

O Ministério Público pede penas que vão até 25 anos de prisão, por alegados delitos de rebelião, sedição, desvio de fundos e desobediência. O julgamento iniciou-se a 12 de fevereiro e deverá demorar três meses, com a sentença a ser conhecida antes das férias de verão, segundo previsão feita pelo tribunal.

A figura principal da tentativa de independência, Carles Puigdemont, é o grande ausente neste processo, visto que Espanha não julga pessoas à revelia em delitos com este grau de gravidade. A partir da Bélgica, onde se refugiou, Carles Puigdemont assinalou, na rede social Twitter, estar “emocionado” face ao “êxito” da manifestação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.