A+ / A-

Marcelo envia condolências pelas “trágicas consequências” das intempéries em Moçambique

17 mar, 2019 - 09:29

Presidente da República português enviou uma “nota de fraterna solidariedade” ao seu homólogo moçambicano, transmitindo votos de pesar às famílias das vítimas e de rápida recuperação a todos os feridos.
A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, expressou hoje condolências pelas “trágicas consequências” das calamidades naturais que afetaram Moçambique, causando mais de 60 mortos.

“O Presidente da República expressou, em nome do povo português e no seu próprio, sentidas condolências pelas trágicas consequências resultantes das violentas calamidades naturais que afetaram as regiões do Centro e do Norte de Moçambique”, refere uma mensagem dirigida ao chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, publicada no sítio na internet da Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa enviou uma “nota de fraterna solidariedade” ao seu homólogo moçambicano, transmitindo votos de pesar às famílias das vítimas e de rápida recuperação a todos os feridos.

Pelo menos 150 pessoas morreram, centenas estão desaparecidas e dezenas de milhar isoladas, principalmente em zonas rurais, devido à passagem do ciclone Idai por Moçambique, Zimbabué e Malaui.

As mortes foram causadas pelo desabamento de casas precárias e outras estruturas, bem como por afogamento.

A recolha de informação por parte das equipas de socorro no terreno tem sido dificultada pelas falhas de energia e comunicações.

Antes da chegada do ciclone Idai, formada no oceano Índico, outras 15 pessoas já tinham morrido entre os dias 06 e 13 de março durante a passagem de uma tempestade no centro e norte de Moçambique, segundo as Nações Unidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.