A+ / A-

Escolas cortam no número de aulas de História

16 mar, 2019 - 09:42 • Redação

Disciplina tem perdido número de minutos na carga horária de várias escolas para ser substituída por “Cidadania e Desenvolvimento”.
A+ / A-

Veja também:


Uma grande maioria dos estabelecimentos do ensino básico e secundário está a cortar numa aula por semana de História para incluir a disciplina de “Cidadania e Desenvolvimento”.

De acordo com a edição de hoje do semanário Expresso, que cita, um estudo feito pela Associação de Professores de História (APH), “verificou-se uma redução de 45 ou 50 minutos por semana em cada um dos ciclos de ensino”, incluindo o ensino secundário, onde a disciplina tem registado resultados baixos na média dos exames nacionais.

Os dados foram obtidos através de um inquérito enviado pela associação aos professores da disciplina, pedindo que os docentes relatem o que tem acontecido nas suas escolas.

Segundo o semanário, esta é uma consequência da flexibilidade curricular aprovada pelo Governo, que permite que cada agrupamento de escolas possa gerir até 25% do horário, aumentando e diminuindo os tempos letivos das disciplinas, tendo por base as cargas horárias de referência fixadas pela tutela.

Filinto Lima, presidente da Associação de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas considera essencial que matérias tão importantes como a história não sejam prejudicadas, mas admite que há vários pontos de equilíbrio possíveis.

"História é uma disciplina fundamental e importante. Aquilo que eu recomendaria era que as escolas arranjassem um ponte de equilíbrio para que de facto esta disciplina, tal como as outras, não fossem prejudicadas na formação dos nossos alunos", defendeu o presidente da associação que representa os diretores do ensino público à Renascença.

"Eventualmente, na [disciplina de] Cidadania, poderão ser abordados temas de História. E essa disciplina em muitas escolas está a ser entregue ao professor de História. O problema de haver menos carga lectiva semanal dessa disciplina resolve-se em contexto de escola. Devemos todos é encontrar um ponto de equilíbrio para que nenhuma disciplina seja prejudicada", defende Filinto Lima.

(Notícia atualizada às 10h11 com as declarações de Filinto Lima)


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • henriques
    16 mar, 2019 lisboa 14:21
    Parkfield community Scchol---Birminghan--protestos levam a encerramento contra liçoes dos LGBT que foi tida comopromoçao agressiva da homossexualidade-.Em portugal houve protestos de pais q foram abafados e de politicos.A corrente já bem oleada das esquerdas fraturantes vieram defender o mesmo programa numa ecola d Évora através redes sociais e TV.Os pais ingleses têm em nos sitio os pais portugueses contra sao silenciados.e nao tem col--oes..A gayada em Portugl detem poder???????!!!!!!!Já dizia Alberto Joao Jardim alto e bom som nos seus tempos.