A+ / A-

Suspeito de massacre na ​Nova Zelândia ouve acusação em tribunal

16 mar, 2019 - 01:20 • Redação

Primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, prometeu mudanças na lei de porte de armas.
A+ / A-

Veja também:


Brenton Harrison Tarrant, o homem que atacou duas mesquitas na Nova Zelândia, compareceu este sábado em tribunal para ouvir a acusação pela morte de 49 pessoas.

O cidadão australiano, de 28 anos, entrou no tribunal da cidade de Christchurch acompanhado por dois polícias, algemado e vestido com uma farda branca da prisão.

O atirador não falou e ficou a saber que vai ficar em prisão preventiva. A próxima audiência está marcada para 5 de abril.

Além de Brenton Harrison Tarrant, há mais duas pessoas detidas por alegado envolvimento no massacre de sexta-feira.

Numa conferência de imprensa realizada este sábado, a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, prometeu mudanças na lei de porte de armas.

O atirador de Christchurch utilizou cinco armas no massacre contra muçulmanos em duas mesquitas, incluindo duas armas semiautomáticas e duas caçadeiras, que comprou legalmente.

A primeira-ministra desloca-se este sábado à cidade, para homenagear as vítimas do atentado.

O Presidente norte-americano, que já condenou o que disse ser um “massacre horrível”, foi elogiado por Brenton Harrison Tarrant num manifesto publicado na internet como um “símbolo de uma renovada identidade branca e de um propósito comum”.

Questionado esta sexta-feira, em Washington, se pensava que o nacionalista branco constitui uma ameaça crescente para o mundo, Donald Trump respondeu: “acho que não”.

“Acho que se trata de um pequeno de pessoas com problemas muito muito graves. Se olharmos para o que aconteceu na Nova Zelândia, talvez seja um caso, mas não sei o suficiente sobre isso ainda”, declarou o Presidente norte-americano.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.