A+ / A-

Estado vai comparticipar viagens dos emigrantes que regressarem a Portugal

14 mar, 2019 - 15:16 • Redação

Conselho de Ministros aprovou o “Programa Regressar”. Para acompanhar a sua implementação, vai ser criada estrutura.
A+ / A-

O Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros o “Programa Regressar” para ajudar a trazer de volta a Portugal os emigrantes que abandonarem o país nos últimos anos.

Em comunicado, o Governo classifica este programa como “estratégico” para apoiar o “regresso ao nosso país de trabalhadores portugueses que tenham emigrado, bem como dos seus descendentes”.

Entre as medidas aprovadas, está prevista a criação de apoios relativos aos custos das viagens e às despesas realizadas com o transporte dos bens dos portugueses, adiantou aos jornalistas o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, citado pelo jornal “Eco”.

O comunicado do Governo refere que, “para alcançar os objetivos do Programa Regressar, será criada uma estrutura dedicada em exclusivo à sua operacionalização e acompanhamento, funcionando de forma transversal e em permanente contacto com todas as áreas governativas”.

No Orçamento do Estado para 2019, o Governo já tinha estabelecido benefícios fiscais para o regresso de emigrantes para isentar de tributação 50% dos rendimentos de trabalho dependente e dos rendimentos empresariais e profissionais de contribuintes que regressem ao país nos próximos dois anos.

De acordo com o mais recente Guia do Mercado Laboral, realizado no inicio deste ano, cerca de 78% dos emigrantes portugueses qualificados admitem regressar a Portugal, dos quais 43% admitem que podem fazê-lo nos próximos dois anos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    14 mar, 2019 Lisboa 18:25
    Tenho uma ideia melhor para apoiar o regresso "deles": ordenados decentes de acordo com as qualificações de cada um, lugar nos quadros e não-precário, possibilidades de progressão na carreira, cursos de formação a sério e de actualização de conhecimentos, e sobretudo, respeito e consideração. Tudo isto eles têm lá fora. Se o implementarem aqui, em vez desse monte de tretas que estão a falar, pode ser que eles comecem a regressar. Caso contrário, e a menos que a saudade fale mais alto, porque diabo quereriam eles voltar para este antro de exploração, onde querem mão-de-obra qualificada, não lhe querem é pagar?
  • Petervlg
    14 mar, 2019 Trofa 17:16
    Este governo anda mesmo a esbanjar dinheiros dos contribuintes. Então se Portugal esta como no tempo de Sócrates, para pior isto é só para enganar as pessoas que trabalham e foram em busca de um futuro, é que em Portugal só existe para os políticos. Não venham estes abutres só querem os vossos impostos.