A+ / A-

Colapso de edifício na Nigéria. Autoridades confirmam oito mortos e cancelam buscas

14 mar, 2019 - 14:15 • Redação

Balanço de vítimas pode aumentar dado que um número indeterminado de pessoas continua desaparecido.
A+ / A-

As autoridades da Nigéria cancelaram esta quinta-feira as operações de busca por sobreviventes num edifício que colapsou ontem em Lagos, capital económica do país. No edifício funcionava uma escola, com os restantes andares afetos a habitação.

De acordo com o último balanço das equipas de resgate, pelo menos oito pessoas morreram, um número que pode aumentar entretanto dado número elevado de feridos, alguns deles em estado grave.

À Associated Press, Ibrahim Farinloye, diretor da Agência Nacional de Gestão de Emergências, disse que as equipas de resgate alcançaram as fundações do prédio de três andares, pelo que não antecipam encontrar mais pessoas.

Ontem, as autoridades avançaram que 37 pessoas foram resgatadas com vida dos escombros, um balanço que Farinloye se escusou a comentar ou a atualizar na entrevista com a AP.

Neste momento, um número indeterminado de pessoas continua desaparecido e ainda não é certo o que causou o desastre.

As derrocadas de edifícios são comuns na Nigéria, onde os materiais usados em construção, muitas vezes, não têm qualidade e onde falta fiscalização e regulamentação do setor.

De acordo com o governador de Lagos, Akinwunmi Ambode, o edifício já tinha demolição marcada e estava classificado como residencial, o que significa que a escola que ocupava os dois últimos andares era ilegal.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.