|
A+ / A-

Empresa portuguesa suspeita de comprar madeira ilegal no Congo

14 mar, 2019 - 06:34 • Lusa

Dez empresas europeias compraram, no seu conjunto, mais de 1.400 metros cúbicos de madeira ilegal ou de risco num valor aproximado de dois milhões de euros.

A+ / A-

Dez empresas europeias, entre as quais uma portuguesa, terão importado em 2018 madeira explorada ilegalmente na República Democrática do Congo (RDCongo), denunciou a organização não-governamental (ONG) Global Witness.

Segundo o relatório divulgado esta quinta-feira, a Interarrod, uma empresa de exportação e importação de madeiras sedeada no Porto, terá recebido entre junho e outubro do ano passado 200 metros cúbicos de madeira adquiridos à Industrie Forestière du Congo (IFCO), o segundo maior exportador de madeira da RDCongo.

A IFCO recebeu em 2018 duas concessões anteriormente concedidas à Cotrefor, uma empresa associada à exploração madeireira ilegal e sob suspeita de ser controlada por um conglomerado libanês que está na lista de sanções do Tesouro norte-americano por alegadamente financiar o movimento xiita libanês Hezbollah.

A Global Witness acusa a IFCO de ignorar as leis florestais congolesas, pondo em perigo florestas tropicais que estão criticamente ameaçadas, mas também de violar a legislação europeia que regula o comércio de produtos de madeira com países terceiros (EUTR, na sigla inglesa).

A ONG diz que as dez empresas europeias compraram, no seu conjunto, mais de 1.400 metros cúbicos de madeira ilegal ou de risco num valor aproximado de dois milhões de euros, em apenas cinco meses e deviam abster-se de adquirir madeira à IFCO enquanto são investigadas as alegadas violações da lei.

Além da portuguesa Interarrod, estão nesta lista as francesas Edwood, Angot Bois, FRance Noyer, Timbearth e Carbon Market Timbre, a espanhola Troncos y Asserrados Tropicales, a italiana TimTrade e a belga Exott

A Global Witness afirma que a IFCO explora ilegalmente madeira fora das áreas concessionadas e que continuou a operar mesmo quando as autoridades obrigaram a empresa a suspender atividade por violar as leis laborais e ambientais congolesas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.