A+ / A-

Nigéria. Pelo menos um morto e dezenas de desaparecidos em derrocada de edifício onde funcionava escola

13 mar, 2019 - 11:13 • Redação

Autoridades admitem que pelo menos 100 alunos e outras pessoas podem ter ficado presas nos escombros.
A+ / A-

Um morto, dezenas de crianças desaparecidas e 50 pessoas retiradas dos escombros com vida é o mais recente balanço oficial da derrocada de um edifício, esta quarta-feira, na cidade nigeriana de Lagos. No edifício de três andares funcionava uma escola primária.

A informação foi avançada pelo diretor do serviços de emergência de Lagos, Adeshina Tiamiyu, citado pela agência Reuters.

"Estaremos em condições de avançar com um balanço total durante a manhã, depois de terminarmos a remoção dos escombros", declarou o responsável.

O governador regional de Lagos, Akinwunmi Ambode, esteve no local e lamentou o acidente. Disse que a prioridade é garantir condições de trabalho para as equipas de socorro conseguirem salvar mais vidas.

O governante esclareceu ainda que a escola funcionava de forma ilegal e que foi aberta uma investigação para apurar o que esteve na origem do acidente.

As autoridades admitiram inicialmente que pelo menos 100 alunos e outras pessoas podem ter ficado presas nos escombros.

A agência Reuters publicou imagens de dois dos menores resgatados. Um rapaz de 10 anos foi visto a ser retirado sem aparentes ferimentos, gerando aplausos das dezenas de pessoas concentradas no local. Outra criança foi retirada logo a seguir os escombros.

Segundo a imprensa nigeriana, a escola funcionava no último andar do prédio, sendo que os outros andares seriam de habitação. Imagens já divulgadas no Twitter pelo Governo regional de Lagos mostram centenas de pessoas no local.

Ambode esclarecuu ainda que grande parte dos edifícios na zona onde se registou o colapso do prédio estão sinalizados para ser demolidos.

Lagos é a capital comercial da Nigéria.

Os colapsos de edifícios na Nigéria acontecem com alguma frequência, devido à fraca qualidade dos materiais de construção e pouca legislação e fiscalização neste setor.

Em 2016, mais de 100 pessoas morreram quando desabou o teto de uma igreja, no sudeste do país. No mesmo ano, outras 30 pessoas morreram num acidente semelhante em Lagos.

[notícia atualizada às 01h02]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.