A+ / A-

Cardeal George Pell condenado a seis anos de prisão por abuso de menores

13 mar, 2019 - 00:58 • Redação, com Reuters

Antigo conselheiro económico do Papa é a principal figura da Igreja Católica a ser condenada por abusos.
A+ / A-

Veja também:


O cardeal australiano George Pell, antigo conselheiro económico do Papa Francisco, foi esta quarta-feira condenado a seis anos de prisão por abuso sexual de dois menores.

Na leitura da sentença, o juiz Peter Kidd, do tribunal de Victoria, na Austrália, afirmou que a conduta do prelado, de 77 anos, foi “pautada pela arrogância”.

“No cômputo geral, considero que a sua culpa moral nos dois casos é elevada”, declarou o magistrado, para quem o religioso poderá passar o que resta da sua vida na cadeia.

O cardeal George Pell reclama inocência dos crimes de que foi agora condenado. Os seus advogados apresentaram um recurso, que vai ser analisado em junho.

O antigo conselheiro económico do Papa é a principal figura da Igreja Católica a ser condenada por abuso sexual de menores, em dois casos que remontam à década de 90.

Os abusos contra dois rapazes de 13 anos aconteceram depois de uma missa de domingo, no final de 1996 e no início de 1997, na catedral de S. Patrício, em Melbourne, onde George Pell era arcebispo.

O prelado foi considerado culpado de quatro acusações de ato indecente e um de penetração sexual.

O juiz decidiu, ainda que o cardeal não poderá pedir liberdade condicional durante um período de três anos e oito meses.

O nome de Pell ficará para toda a vida no registo de abusadores sexuais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.