A+ / A-

​Catedral de Santiago de Compostela vandalizada

12 mar, 2019 - 12:55 • Lusa

É o segundo caso de vandalismo em menos de um ano. Foi pintada uma frase de alusão bíblica, reescrita com palavrões.
A+ / A-

A fachada da Catedral de Santiago de Compostela, na Galiza, foi vandalizada na madrugada desta terça-feira com frases obscenas, confirmou à Lusa fonte da fundação que gere o templo, adiantando que um dos acessos laterais foi também pintado.

A fonte da fundação Catedral de Santiago de Compostela, na capital da Galiza, adiantou que o caso já foi reportado à câmara local, estimando que os trabalhos de limpeza tenham início ainda esta terça-feira ou na quarta-feira.

A mesma fonte adiantou que o ato de vandalismo foi detetado de manhã.

Na fachada da catedral, situada na praça do Obradoiro, foi pintada uma frase de alusão bíblica, reescrita com palavrões e no, Arco de Palácio, como é conhecido localmente, foram pintadas palavras de ordem, de carater político: "Guilhotina Borbón", "Gritaremos até ficarmos sem Vox" e "Não nos pararão".

A Lusa contactou a Câmara de Santiago de Compostela mas, até ao momento, ainda não obteve esclarecimento sobre este caso.

Trata-se do segundo caso de vandalismo daquele templo em sete meses. Em agosto de 2018, uma estátua do século XII, situada na porta principal, foi vandalizada com uma pintura em 'graffiti' de cor azul, que retratava a maquilhagem do grupo norte-americano Kiss, sendo que o nome da banda foi também inscrito na estátua.

Na altura, fonte da fundação da Catedral de Santiago explicou que "a catedral está a ser alvo de obras de restauro desde 2013 e até finais de 2020, num investimento de 18 milhões de euros, financiado pela fundação e pelo governo espanhol".

Foto: Xoan Rey/EPA

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.