A+ / A-

​Espanha reclama todos os louros da viagem de Magalhães. Portugal responde assim...

12 mar, 2019 - 02:58 • Redação, com Lusa

Na qualidade de historiador, o ministro português dos Negócios Estrangeiros pergunta a Madrid como é que a primeira viagem de circum-navegação pode ser exclusivamente espanhola se foi "comandada por um português, com pilotos portugueses e direção científica portuguesa".
A+ / A-

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, rejeita que a primeira viagem de circum-navegação, liderada pelo português Fernão de Magalhães, seja um feito exclusivamente espanhol.

A Real Academia de História de Espanha divulgou, na segunda-feira, um relatório em que alega que a épica viagem foi um projeto total e exclusivamente espanhol.

Em reação a esta teoria, Santos Silva disse à Renascença que, na qualidade de historiador, estranha a conclusão da Real Academia de História de Espanha.

“Parece-me estranho, como historiador, que uma instituição possa dizer que uma expedição comandada por um português, com pilotos portugueses, sob direção científica portuguesa e que, aliás, envolveu mais de uma dezena de nacionalidades europeus, possa ser considerada exclusivamente espanhola”, afirma o ministro dos Negócios Estrangeiros.

A Real Academia espanhola argumenta, num relatório de 1 de março agora publicado na sua página na internet, que com “dados, absolutamente documentados, é incontestável a plena e exclusiva autoria espanhola da empresa”.

A instituição explica que o documento foi elaborado pela “necessidade social de responder às muitas questões levantadas pelas autoridades portuguesas ao tentar capitalizar a paternidade” da autoria da viagem pelo facto de Fernão de “Magalhães ser natural de Portugal”.

“Com este relatório pretende-se evitar que a comemoração [dos 500 anos da viagem] se converta numa fonte de divisão entre os dois países vizinhos”, segundo a RAH.

Os chefes da diplomacia de Portugal e de Espanha anunciaram em Madrid, a 23 de janeiro último, a apresentação conjunta de uma candidatura a património da humanidade da primeira viagem de circum-navegação do globo, depois de “dissipadas todas as dúvidas”.

“Decidimos que Portugal e Espanha, através dos seus embaixadores na UNESCO, irão apresentar conjuntamente a candidatura” da rota da viagem iniciada pelo português Fernão de Magalhães e terminada pelo espanhol Sebastião Elcano, disse na altura o chefe da diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva.

O relatório da RAH foi elaborado a pedido do diário ABC, que antes desse anúncio tinha avançado que, numa candidatura inicial da rota de Magalhães apresentada por Portugal à UNESCO, o governo português teria apagado o império espanhol da história ao quase não fazer referência ao nome de Sebastião Elcano ou o papel preponderante de Espanha na realização da viagem.

Primeira viagem à volta do Mundo, a bordo da nau Victoria, começou em 20 de setembro de 1519, em Sanlúcar de Barrameda, no sul de Espanha, e terminou em 6 de setembro de 1522, no mesmo local.

Fernão de Magalhães, que planeou a viagem que acabou por ser financiada pelo reino de Espanha, não terminou a expedição, uma vez que morreu nas Filipinas, em 1521, aos 41 anos, tendo esta sido concluída pelo navegador espanhol Sebastião Elcano.

Portugal e Espanha estão a organizar inúmeras iniciativas que terão lugar até 2021 para assinalar esta viagem histórica iniciada há 500 anos.

No seu relatório, a RAH relata que Magalhães, natural de Portugal, “serviu esta coroa fazendo várias viagens pelo Índico”, mas que em 1517 “agastado com D. Manuel de Portugal por não reconhecer os seus méritos, decide abandonar o seu país, deixar de servir o seu rei e viajar para Espanha, […] onde se instalou, contraiu matrimónio e, desde essa altura, serviu o rei Carlos I”.

O documento sublinha que, na altura, Portugal tentou, “por todos os meios, que a viagem não se realizasse” por esta ter sido “entregue a uma empresa espanhola”, qualificando Magalhães de “renegado” e “traidor”, o que continuou a ser feito por “uma parte” dos historiadores portugueses.

A RAE, fundada em 1738, é uma instituição com sede em Madrid encarregada do estudo da história da Espanha, “antiga e moderna, política, civil, eclesiástica, militar, das ciências, letras e artes, ou seja, dos diversos ramos da vida, civilização e cultura dos povos espanhóis”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Gonçalves
    15 mar, 2019 Pombal 13:57
    Mais um ultimato tipo "mapa cor-de-rosa?
  • x
    13 mar, 2019 x 22:40
    espanha pode ter pago mas nós fizemos tudo!
  • ze
    13 mar, 2019 aldeia 09:22
    De Espanha.....nbem bons ventos nem bom casamento.,já dizia um antigo dito popular.
  • Leandro
    12 mar, 2019 Seixal 16:56
    Pois bem is portugueses nao contribuíram com nada para a viagem. Pelo contrário tentaram fazer de tudo para não acontecer. Até escumungaram Magalhães na altura. Os espanhóis pagaram toda expedição. Além de a terem terminado pois Magalhães morreu antes . Porque portugal mereceria os louros ?
  • Cidadao
    12 mar, 2019 Lisboa 09:22
    De Espanha, nada de novo: sempre a "armarem-se em bons", e a considerarem-se "os maiores", quando do outro lado estamos nós.
  • José Joaquim Cruz Pinto
    12 mar, 2019 Ílhavo 04:43
    Os (espanhóis) castelhanos ao seu (melhor) pior nível. E depois dizem eles e alguns PAPALVOS portugueses que somos irmãos - uma OVA!