Tempo
|
A+ / A-

Marcelo explica o que falta a Portugal para "sair da cepa torta"

11 mar, 2019 - 21:02 • Redação

Presidente da República defende “consensos de regime” e garante que não está deprimido com a queda de popularidade para os 81%.

A+ / A-

Veja também:


Portugal precisa de “consensos de regime” para evoluir e atingir outro nível, afirmou esta segunda-feira o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em entrevista à TVI de balanço de três anos de mandato.

Questionado sobre o que falta a Portugal para “sair da cepa torta”, o chefe de Estado começou por dizer que faltam “consensos de regime” entre os maiores partidos.

“Não é compreensível como é que em matérias básicas como a Justiça, a Segurança Social ou a Saúde há sempre a tentação de mudanças de Governo para Governo e não há capacidade de antecipação e estabilização”, lamentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Em segundo lugar, o Presidente diz que “falta haver uma atenção dos protagonistas políticos à reforma do Estado” e, em terceiro, “falta haver uma capacidade de antecipação e de fortalecimento da sociedade civil”.

Em relação à saúde financeira portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa defende que o país está preparado para um arrefecimento da economia mundial, porque tem “uma almofada orçamental”.

No entanto, alerta para fatores como os efeitos da guerra comercial entre Estados Unidos e China, o Brexit e a “capacidade da Europa em tomar decisões ainda antes das eleições de maio”.

Questionado sobre a queda de popularidade e uma possível recandidatura, Marcelo Rebelo de Sousa responde que “a última sondagem, saída anteontem, dá 81% de popularidade, portanto… Se isso é queda não é coisa que causa uma depressão”.

E vai manter o estilo até ao final do mandato e no próximo? O Presidente adianta que em relação ao que resta do atual mandato “há vários períodos. O primeiro, que vai até às eleições, será, naturalmente, de protagonismo dos partidos. O Presidente estará, mas estará em viagens ao estrangeiro e aparecerá de uma forma crescentemente mais discreta”.

Depois haverá o período de formação do novo Governo, após as eleições legislativas de outubro, seguindo-se “um momento de transição importante” em que Marcelo diz que vai tomar uma decisão.

“É importante porque há dois orçamentos para aprovar, há a preparação da presidência da União Europeia no primeiro semestre de 2021, há o arranque da presidência angolana da CPLP. Há muita coisa importante nos primeiros seis meses do ano que vem e, a seguir, em meados do ano que vem, tomarei a decisão. Das duas uma: ou sou candidato e se for candidato não vou utilizar a Presidência para a campanha eleitoral, ou não sou candidato e saberei sair de uma forma discreta para deixar o palco aos candidatos”, garante o chefe de Estado.

Nesta entrevista à TVI, revelou que, caso os incêndios de 2017 se tivessem repetido, teria dissolvido a Assembleia da República.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fernando de Almeida
    13 mar, 2019 PORTO 23:48
    " caso os ince^ndios de 2017 se tivessem repetido teria dissolvido a Assembleia da Republica". O cidadão Marcelo na qualidade de Presidente da Republica mediu bem o teor desta sua frase? E' que a mesma presta-se a muitas e até PERIGOSAS interpretações...