A+ / A-

Hospitalidade: precisa-se? Conferência debate acolhimento de imigrantes e refugiados

09 mar, 2019 - 09:36 • Redação

Série de debates sobre a crise dos refugiados decorre este sábado na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa.
A+ / A-

Estimular diálogos sérios e contribuir para a reflexão das migrações é o que pretende a conferência que decorre este sábado, em Lisboa, organizada pelo Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS) e pela revista “Brotéria”.

À volta de uma mesa redonda, com moderação da irmã Irene Guia, estão os jornalistas Cândida Pinto (RTP), José Manuel Fernandes (Observador) e Joana Azevedo Viana (Renascença) para debater o papel da comunicação social sobre as migrações e na influência da opinião pública sobre imigrantes e refugiados.

No segundo painel, “Pensar a Hospitalidade”, haverá outra mesa redonda para discutir o tema à luz das Eleições Europeias, com Isabel Santos (PS), Cláudia Monteiro de Aguiar (PSD), Marisa Matias (BE), Pedro Mota Soares (CDS-PP), João Pimenta Lopes (PCP), António Marinho e Pinto (PDR) e José Inácio Faria (MPT), um painel moderado por Gonçalo Matias, Diretor de Estudos na Fundação Francisco Manuel dos Santos.

O JRS tem como missão «Acompanhar, Servir e Defender» os refugiados, deslocados à força e todos os migrantes em situação de particular vulnerabilidade, estando atualmente presente em cerca de 50 países no mundo.

Em Portugal, a atuação do JRS desenvolve-se nas áreas do apoio social, apoio psicológico, apoio médico e medicamentoso, apoio jurídico, encaminhamento e apoio à integração profissional, alojamento de imigrantes sem-abrigo, em situação de particular vulnerabilidade social, acompanhamento a imigrantes detidos, cursos de língua portuguesa e ações de formação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.