A+ / A-
Quaresma

Bispo do Funchal destina “gesto comunitário de renúncia” para “ajudar os irmãos da Venezuela”

01 mar, 2019 - 13:50 • Ecclesia

D. Nuno Brás alerta que se trata “mal a Deus, substituindo-O por pequenos deuses” e “o próximo”.
A+ / A-

O bispo do Funchal destinou o “gesto comunitário de renúncia” que os fiéis vão fazer durante a Quaresma deste “para ajudar” os “irmãos da Venezuela”, país de destino de muitos portugueses que emigraram no arquipélago da Madeira.

Na mensagem enviada à Agência Ecclesia, D. Nuno Brás explica o “dinheiro” proveniente da renuncia quaresmal é para “ajudar os irmãos da Venezuela que passam necessidades”.

D. Nuno Brás referiu-se à situação que se vive na Venezuela, afirmando que, se o preocupava como cidadão, preocupa-o “muito mais” desde que foi eleito bispo do Funchal, uma vez que “grande parte da comunidade portuguesa na Venezuela é de origem madeirense”.

“É necessário acolher aqueles que vieram e é necessário também, e muito, ajudar a Cáritas da Venezuela ou as cáritas dos países à volta, para ajudar os madeirenses que lá estão e estão a passar um momento muito difícil na sua vida”, afirmou o bispo do Funchal sobre uma realidade que o preocupa, em entrevista à Agência Ecclesia por ocasião da entrada na diocese.

O bispo diocesano informa ainda que na renúncia quaresmal de 2017 angariaram mais de 22 mil e quinhentos euros (22.534,41€), “cerca de metade foram destinados ao Fundo Social Diocesano” e 11.534,41€ foram entregues à Fundação Ajuda à Igreja que Sofre para a “reconstrução das casas dos cristãos do Iraque”.

Na mensagem da Quaresma "Caminhemos para a Páscoa", D. Nuno Brás explica que olhando para a Páscoa de Jesus, “o Homem novo”, percebem “melhor a necessidade de tomar mais a sério a vida de cristãos”.

“Olhando para a luz, percebemos as sombras que ainda habitam a nossa vida. Tratámos mal a Deus, substituindo-O por pequenos deuses: o poder, o dinheiro, o prazer, a fama. Tratámos mal o próximo cada um julgando que é o centro do mundo”, desenvolveu.

O bispo do Funchal alerta para o esquecimento da “dignidade do outro”, aceitou-se que “viva na pobreza, que seja espezinhado”, tratando-o “como se fosse uma coisa e não uma pessoa”.

“Somos convidados a rezar mais e melhor e a deixar que Deus seja o Único Senhor da nossa existência; a dar esmola e a olhar para o outro que necessita da nossa ajuda; a jejuar para mostrar que não queremos que a nossa vida esteja sujeita ao pecado”, desenvolve, sugerindo que se medite, “mais assiduamente”, na palavra de Deus.

A Quaresma é um tempo de 40 dias marcado por apelos ao jejum, partilha e penitência, que este ano começa no próximo dia 6, e é um itinerário de preparação para a Páscoa, a principal festa do calendário cristão, em 2019 no dia 21 de abril.

“Nesta Quaresma, olhemos mais para Jesus. É a Ele que queremos seguir cada vez melhor. É como Ele que queremos ser. É nele que queremos viver. É a Ele que queremos mostrar cada vez mais claramente. Sempre. Não tenhamos medo da conversão que Ele nos propõe, que Ele nos pede”, pede D. Nuno Brás na sua mensagem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.