Tempo
|
A+ / A-

4 milhões em pensões a mortos. Segurança Social desculpa-se com a falta de meios

28 fev, 2019 - 09:32 • Redação

Auditoria do Tribunal de Contas apurou que, em alguns casos, os pagamentos já aconteciam há mais de dez anos.

A+ / A-

A Segurança Social rejeita as conclusões do Tribunal de Contas, mas sem nunca negar que pagou quatro milhões de euros em pensões a pessoas que já morreram.

A auditoria do Tribunal de Contas ao Instituto da Segurança Social revela pagamentos a beneficiários que morreram, em alguns casos há mais de 10 anos, e que nada terá sido feito para evitar estas situações, nem para recuperar os valores pagos de forma indevida.

Numa nota intitulada “Esclarecimento sobre a auditoria do Tribunal de Contas às prestações por morte do sistema previdencial”, a segurança Social desculpa-se com a falta de meios técnicos e humanos.

“A quebra generalizada e continuada de recursos humanos que se verificou desde 2010 no Centro Nacional de Pensões (CNP), que em 2017 ficou reduzido a pouco mais de metade dos efetivos de que dispunha em 2010 (quebra de 43%), conjugada com o aumento da procura verificada ao nível dos requerimentos apresentados, são os principais fatores que têm contribuído para o aumento da pressão sobre o CNP, condicionando a sua capacidade de resposta. Acresce a complexidade técnica das pensões, que exige desenvolvimentos ao nível dos sistemas de informação, os quais têm vindo a decorrer, de forma a diminuir a componente manual na análise e tratamento da maioria dos pedidos de reforma”, lê-se no texto.

A Segurança Social garante que ao longo dos últimos anos tem desenvolvido “esforços com vista adequar a sua capacidade de resposta à procura crescente por parte dos cidadãos, com particular ênfase na área das pensões”.

A auditoria centrou-se nas prestações por morte cessadas em 2016 e 2017 tendo "detetado pagamentos indevidos de pensões de sobrevivência e de direito próprio a falecidos". Deste valor, 3,7 milhões de euros correspondem a pensões de sobrevivência cessadas naqueles anos, enquanto cerca de 0,4 milhões são relativos a pensões próprias.

Não é a primeira vez que o Tribunal de Contas verifica este tipo de situações, sendo que a presente auditoria o leva a concluir que, além destes casos persistirem, o Instituto de Segurança Social (ISS) não instituiu os mecanismos para controlar estas situações nem assegurou a recuperação dos valores pagos de forma indevida.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 28 fev, 2019 11:20
    Andamos a pagar pensoes aos mortos! E as estradas para os vivos estao incapazes"daqui a pouco para ir a setubal ou palmela "temos de ir de helicopetro!
  • Cidadao
    28 fev, 2019 Lisboa 11:00
    Agora é averiguar quem andou a receber sem ter direito a tal e exigir a devolução. E se não houver essa devolução, processo judicial com arresto e penhora. Não é o que as Finanças fazem quando alguém não paga, mesmo se esse alguém está cheio de razão, mas não tem como pagar a advogado fiscalista, para se defender da máquina trituradora das Finanças?

Destaques V+