A+ / A-

Esculturas de supermercado nas igrejas. "Basta!", diz diocese de Viseu

28 fev, 2019 - 09:14 • Liliana Carona

De restauros mal sucedidos já muito se falou e escreveu, mas a diocese de Viseu alerta agora para outro problema que ameaça o património artístico de um espaço que é de todos: "arte de segunda" em locais de culto.
A+ / A-

A diretora do departamento dos Bens Culturais da diocese de Viseu, Fátima Eusébio, quer combater a proliferação de imagens sem qualidade nas igrejas da diocese

“Continuamos a ser confrontados com obras de amadores. Chego a igrejas e vejo peças de marfinite de supermercados, sem qualquer valor artístico”, denuncia Fátima Eusébio, em declarações à Renascença.

"Há inúmeras peças de marfinites, material não adequado para a Igreja, vejo as peças de marfinite, compradas em supermercado, nas lojas mais corriqueiras, sem qualquer valor artístico, pinturas sem qualquer valor artístico, reproduzidas com base em imagens de pagelas. Isto levanta esta questão de confundir arte com réplicas”, exemplifica a responsável do departamento dos Bens Culturais da diocese de Viseu.

Fátima Eusébio reconhece que se trata de um tema sensível. "Eu sei que isto mexe com as sensibilidade das pessoas, na questão das promessas", aponta, defendendo, contudo, que a tendência tem se ser travada, sob pena de "qualquer dia, termos que ter prateleiras nas igrejas para por tanta imagem".

As igrejas não podem ser "supermercados de imagens" e a responsável sugere uma alternativa: "Se calhar, era melhor canalizar a promessa para algo que a Igreja necessite mais."

“Sempre que houver intervenção na Igreja, uma nova aquisição, tem que haver diálogo e reflexão porque estamos a falar de um espaço que é de todos, não é privado", remata a diretora do departamento dos Bens Culturais da diocese de Viseu.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.