A+ / A-

Estudo conclui que o glifosato aumenta em 41% o risco de cancro

25 fev, 2019 - 14:53 • Tiago Palma

A Agência Internacional para a Investigação do Cancro, da Organização Mundial de Saúde, classificou em 2015 o glifosato como "provavelmente cancerígeno para humanos"
A+ / A-

Não é um estudo, é a avaliação (levada a cabo por um grupo de investigadores da Universidade de Washington) de vários estudos anteriores sobre o glifosato, substância química presente na maior parte dos herbicidas vendidos no mundo. E as conclusões, publicadas na revista Mutation Research – e divulgadas pela CNN –, revelam que a utilização de herbicidas com glifosato aumenta em 41% o risco de cancro, nomeadamente do linfoma não-Hodgki.

"Todas as meta-análises realizadas até hoje, incluindo esta, relatam, consistentemente, o mesmo: a exposição a herbicidas à base de glifosato está associada a um aumento do risco", refere Rachel Shaffer, co-autora do estudo, à CNN.

Entretanto, a Bayer – que em 2018 adquiriu a Monsanto, produtora do herbicida (com glifosato) mais vendido no mundo: o Roundup – reagiu em comunicado ao estudo, acusando os autores de “manipular a estatística”, tendo, portanto, a conclusão “graves falhas metodológicas". Por fim, o grupo alemão de farmácias e agroquímicos garante que o estudo "não fornece evidências cientificamente válidas que contrariem as conclusões que demonstram que os herbicidas à base de glifosato não são cancerígenos".

A verdade é que as propriedades carcinogénicas (ou não) do glifosato têm resultado em amplos debates científicos.

Em 2015, por exemplo, a Agência Internacional para a Investigação do Cancro, da Organização Mundial de Saúde, classificou o glifosato como "provavelmente cancerígeno para humanos". Por sua vez, em 2017, os especialistas da Agência Europeia dos Produtos Químicos consideraram (igual consideração teria a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar) que o glifosato não é cancerígeno, o que levaria a Comissão Europeia a aprovar a renovação por cinco anos do uso do glifosato, com uma maioria qualificada de 18 Estados-membros a favor e a abstenção de Portugal.

Nos EUA, a Agência de Proteção Ambiental norte-americana garantiria, igualmente em 2017, que o glifosato "não é suscetível de ser cancerígeno para os seres humanos". Contudo, naquele país, são hoje milhares os casos de pessoas que, expostas ao herbicida Roundup, e tendo desenvolvido linfoma não-Hodgkin, processaram a Monsanto, tendo mesmo, em 2018, o gigante agroquímico norte-americano sido condenado em tribunal a pagar 290 milhões de dólares ao jardineiro Dewayne Johnson, de 46 anos, por não o ter informado sobre a perigosidade do herbicida. Os jurados do tribunal de São Francisco determinaram que a Monsanto agiu “com maldade” e que o Roundup contribuiu “consideravelmente” para a doença de Johnson.

Esta segunda-feira, a plataforma "Transgénicos Fora" apelou ao Governo para que proíba a venda de herbicidas à base de glifosato, que apoie os agricultores e que se torne obrigatória uma análise à agua para consumo.

O apelo da "Transgénicos Fora" surge na sequência dos resultados de um estudo lançado em 2018 para testar a presença de glifosato em voluntários portugueses. As análises demonstraram uma exposição recorrente ao herbicida e apontam para uma contaminação generalizada por glifosato em Portugal.

“Defendemos que se proteja a saúde sem pôr em causa a agricultura, mas que se tomem medidas de bom senso para proteger os cidadãos. Verificámos que a contaminação com o herbicida glifosato é uma realidade. A contaminação está constantemente a acontecer. As pessoas estão cronicamente expostas a um herbicida que, agora sabemos, causa cancro”, afirmou à Renascença Margarida Silva, daquela plataforma.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • me too
    26 fev, 2019 15:50
    Há cada vez mais gente inculta! Começa muito bem com "provavelmente cancerígeno para humanos". Avaliação por um grupo de investigadores. Safámo-nos: não foi um grupo de fadistas que avaliou. Então nas aplicações da Matemáticas é lindo: 41% sobre que valor? E o Linfoma é de tipo não-Hodgki... Podem mandar os raparigos e as raparigas para a escola.
  • João Oliveira
    26 fev, 2019 Sintra 01:15
    Quando virem um humano com um fato branco, máscara e óculos de proteção a pulverizar os passeios... cuidado não respire. Se for de carro. Feche os vidros pois possivelmente isso será cancerígeno! E pelo ar poderá também chegar a águas públicas... enfim o ser humano tenta tudo para a lei do menor esforço e isso levanos á desgraça!!!