Tempo
|
A+ / A-

Marcelo pede mobilização contra "brutal aumento da violência doméstica"

22 fev, 2019 - 11:33 • Redação com Lusa

A propósito o Dia Europeu das Vítimas de Crime, o Presidente lembra as 12 mortes trágicas deste ano.

A+ / A-

O Presidente da República defendeu que nenhuma vítima de crime se deve sentir sozinha ou esquecida, referindo que o "brutal aumento da violência doméstica" divulgado nas últimas semanas exige uma mobilização e mudança da sociedade.

As declarações de Marcelo Rebelo de Sousa foram publicadas na página online da presidência. "No Dia Europeu das Vítimas de Crime, os meus pensamentos estão sobretudo com todos os que já sofreram, ou ainda sofrem, com algum tipo de violência", afirma o Presidente, lembrando que "em circunstâncias diversas da vida, qualquer um de nós poderá ser vítima de crime".

Por isso, sublinha, "é muito importante que ninguém se sinta sozinho ou esquecido" numa circunstância em que foi alvo de crime.

Nas últimas semanas, recorda Marcelo, "Portugal tem acordado com tristes notícias sobre o brutal aumento da violência doméstica, do qual já resultaram 12 mortes trágicas".

Notícias que o Presidente considera "chocantes para todos" e que obrigam "a agir, depressa, antes mesmo da atuação institucional, num combate sem preconceitos nem estereótipos redutores".

"Apelo, por isso, para que toda a sociedade portuguesa se mobilize e se envolva numa profunda mudança cívica nacional, cuja ação seja a da inversão rápida desta perturbadora tendência", conclui na sua mensagem.

Um barómetro da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) "Perceção da população sobre discriminação e crimes de ódio", feito com a Intercampus e que vai ser apresentado esta sexta-feira, revela que 97% das 810 pessoas inquiridas conhecem ou já ouviram falar de discriminação, crime de ódio ou violência discriminatória.

Por outro lado, 64% afirmaram ter sido vítimas ou conhecer alguém vítima de discriminação, 21% de crimes de ódio/violência discriminatória e 14% de ambos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JOAQUIM S.F. SANTOS
    22 fev, 2019 Tojal 13:17
    É bom estares no mínimo calado. Quantas leis, contra a família, já promulgaste; ou te abstiveste, ou te calaste nos teus comentários? Semeaste ventos. Colhes tempestades. Só por muitas vezes te teres calado, também és Réu. Deus Pátria e Família, é Fascismo. A violência domestica é produto da doutrina marxista. Pois seu fim ultimo é destruir a família para que a mãe não oprimir o filho, o pai não oprima a mulher e a filha para que todos vivam num feliz incesto. Não leste António Gramsci, Marx e outros.!? Não baste dizer-se católico é bom selo de verdade. Não basta ser mulher de César, é bom viver como verdadeira mulher de César.!

Destaques V+