A+ / A-
Abusos sexuais

McCarrick. Do colégio de cardeais à desgraça

16 fev, 2019 - 10:10 • Filipe d'Avillez

Antigo cardeal de Washington foi condenado por vários crimes de abusos sexuais e, pela primeira vez, o Vaticano decidiu aplicar a pena da redução ao estado laical. Conheça a história de McCarrick.
A+ / A-

Veja também:


O Papa Francisco decretou este sábado a redução ao estado laical do cardeal Theodore McCarrick. O arcebispo emérito de Washington viu-se no centro de uma polémica de abusos sexuais que rebentou no verão de 2018 e que continua a fazer-se sentir nos Estados Unidos, e não só, tendo abalado a credibilidade de todo o episcopado norte-americano.

A redução ao estado laical é a pena canónica mais grave que a Igreja pode aplicar a um sacerdote, antes da própria excomunhão. Embora a ordenação sacerdotal – segundo o ensinamento da Igreja – seja irreversível, com a redução ao estado laical um padre fica proibido de exercer o sacerdócio.

No verão de 2018, Theodore McCarrick – que enquanto cardeal e arcebispo de Washington era um dos homens mais influentes da Igreja norte-americana – foi acusado de ter abusado um menor.

Os bispos americanos disseram que a acusação tinha sido considerada credível e que o arcebispo emérito, já octogenário, iria suspender quaisquer atividades públicas enquanto decorresse uma investigação.

McCarrick veio a público dizer que não tinha qualquer recordação de ter abusado de alguém, ao mesmo tempo que pedia desculpa pelo mal eventualmente causado a terceiros.

A partir daí o caso foi-se desenvolvendo rapidamente. De um caso de abuso de menores passou para dois e depois começou-se a saber que, afinal, o arcebispo tinha recrutado e mantido, durante décadas, uma rede de jovens padres e seminaristas com quem mantinha relações homossexuais.

McCarrick pediu para sair do Colégio dos Cardeais, tendo o Papa aceitado, fazendo dele um ex-cardeal. Remeteu-se então, por ordem de Francisco, a uma vida de “penitência e oração”, longe dos olhos do mundo. Não se tem pronunciado publicamente desde essa altura.

O caso é agravada pelo facto de ter sido McCarrick a dar a cara pela resposta dos bispos americanos ao escândalo dos abusos sexuais praticados por membros da Igreja logo nos primeiros anos da década de 2000.

A “Carta de Dalas”, redigida pelos bispos e que contém normas para lidar com casos e suspeitas de abusos sexuais por membros do clero, não inclui qualquer indicação para o caso em que o abusador é um bispo.

Na sequência deste e outros casos internacionais de abusos, o Papa convocou um encontro para os presidentes das Conferências Episcopais de todo o mundo, a realizar em Roma entre os dias 21 e 24 de fevereiro. Portugal será representado pelo patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Santos
    18 fev, 2019 TOJAL 13:51
    Quem semeia ventos colhe tormentos. Teólogos iluminados tem têm apregoado inúmeras doutrinas pouco católicas como por exemplo: a negação dos dogmas da Virgindade de Maria, a desatualização dos mandamentos ao mundo moderno, a transformação da santa missa numa celebração apenas comunitária, entre outros modernismos que relaxam a vida de santidade, pedida aos sacerdotes, a ponto de estes se tornarem em pedras de escândalo que impede a engrenagem de avançar e estão germinando o grande cisma, o qual rebentará mais dia menos dia. É bom levarmos uma vida de oração e oferece-la pela unidade da Igreja e pelos sacerdotes, para que os danos não sejam demasiado funestos.