A+ / A-

Parlamento aprova audição da ministra da Saúde sobre "corte" dos privados com ADSE

13 fev, 2019 - 12:51 • Agência Lusa

Comissão quer saber mais sobre “a ameaça” de interrupção da prestação de cuidados a beneficiários do subsistema.
A+ / A-

A comissão de Saúde aprovou esta quarta-feira, por unanimidade, a audição da ministra da Saúde, Marta Temido, e do Conselho Diretivo da ADSE sobre “a ameaça” de interrupção da prestação de cuidados de saúde a beneficiários do subsistema, segundo o BE.

A audição foi pedida por requerimento do Bloco de Esquerda (BE) que pretende ouvir a ministra da Saúde, Marta Temido, o Conselho Diretivo da ADSE e o Conselho Geral e de Supervisão da ADSE sobre “a chantagem dos hospitais privados e ameaça de interrupção da prestação de cuidados de saúde a beneficiários do subsistema”.

“Os principais grupos económicos a operar na área da saúde em Portugal ameaçaram acabar com os acordos que têm com a ADSE, obrigando os beneficiários do subsistema a pagar, à cabeça, a totalidade dos cuidados de saúde prestados nos hospitais privados”, refere o BE.

“Estes são os mesmos grupos económicos – Luz Saúde, José Mello Saúde, Lusíadas, Trofa e Hospital Privado do Algarve – que entre 2015 e 2016 sobrefaturaram, indevida e abusivamente, 38,8 milhões de euros à ADSE”, acrescenta.

Em causa está a eventual suspensão das convenções com a ADSE por parte de vários grupos privados de saúde, entre os quais o grupo José Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e a Luz Saúde.

Na comissão de Saúde de hoje foi ainda aprovado, por unanimidade, o requerimento do Bloco de Esquerda para uma audição de responsáveis da Autoridade do Medicamento (Infarmed) sobre ruturas de medicamentos em farmácias.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.