A+ / A-

Costa quer debate sobre regionalização na próxima legislatura

12 fev, 2019 - 19:58 • Lusa com Redação

O primeiro-ministro advertiu que o futuro debate sobre a regionalização do país deve ser feito "no seu devido tempo" e nunca antes de eleições europeias e legislativas.
A+ / A-

O primeiro-ministro defendeu esta terça-feira eleições diretas para as áreas metropolitanas já em 2021 e que o debate sobre a regionalização do país deve ser relançado na próxima legislatura, antecedendo o referendo e afastado de atos eleitorais.

António Costa avançou com este calendário sobre a continuação do processo de descentralização em Portugal no encerramento do Fórum de Políticas Públicas -- uma iniciativa do ISCTE que se realizou na Assembleia da República, em Lisboa.

Discursando na sala do Senado do parlamento, o primeiro-ministro advertiu que o futuro debate sobre a regionalização do país deve ser feito "no seu devido tempo", ou seja, no começo da próxima legislatura e não agora antes de eleições europeias e legislativas.

"O debate fora de tempo conduzirá inevitavelmente ao insucesso do seu resultado. Fazê-lo no seu devido tempo significa fazê-lo num momento de serenidade e não de diferenciação política. Este debate deve ser feito com base em informação clara, fidedigna e segura", disse, já depois de ter lamentado que a discussão travada em 1997 não tenha reunido essas condições de objetividade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 fev, 2019 Lisboa 10:58
    Regionalização não pode fazer-se e se se fizer, deve haver campanhas maciças de desobediência civil principalmente na parte dos impostos regionais, das taxas e taxinhas que vão aparecer para sustentar parlamentos regionais e lugares para os jotinhas que saem das juventudes partidárias terem o seu lugarzinho, tipo "Morangos com Açucar" da política: fazem o tirocinio das aldrabices nas regiões enquanto esperam a "promoção" aos "Nacionais". Não falando na rejeição clara da Regionalização que ocorreu em Referendo, um País com uma dimensão insignificante, língua, História, usos e costumes, tradições iguais, e com a mesma identidade, não precisa para nada de Regionalização. Descentralização de algumas competências, sim. Regionalização, não. Os políticos precisam dela, para haver mais tachos pagos por nós. Nós, não precisamos.