A+ / A-

Enfermeiros. Bispos convidam a entendimento para superar greve

12 fev, 2019 - 17:00 • Ecclesia

A CEP entende que a greve dos enfermeiros é “justa e legítima” para que tenham melhores condições, mas deve respeitar também o direito à vida e à saúde.
A+ / A-

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) apela a um entendimento entre Governo e enfermeiros para superar a chamada “greve cirúrgica”, alertando para o impacto da paralisação sobre os doentes

“Tem de se ter em conta, também, a situação de pessoas doentes, neste processo, respeitando o direito fundamental à vida e à saúde. Isto vale para quem está em greve como vale para os governantes. Desejamos que haja um diálogo que seja fecundo e frutuoso, no sentido de se chegar a um consenso”, disse aos jornalistas o porta-voz da CEP, padre Manuel Barbosa, no final do encontro mensal do Conselho Permanente do episcopado católico.

O porta-voz da CEP entende que a greve dos enfermeiros é “justa e legítima” para que tenham melhores condições, mas deve respeitar também o direito à vida e à saúde.

“Está em jogo, como disse, o bem daqueles que são mais vulneráveis, neste caso os doentes”, observou.

A CEP apela ao diálogo, “para que a situação se modifique”, procurando “o bem de todos”.

O Conselho de Ministros decretou, na última quinta-feira, uma requisição civil na greve dos enfermeiros em blocos operatórios em curso desde 31 de janeiro, alegando incumprimento da prestação de serviços mínimos.

Esta segunda “greve cirúrgica” decorre até ao final de fevereiro, abrangendo dez centros hospitalares.

Uma primeira greve decorreu em blocos operatórios de cinco centros hospitalares entre 22 de novembro e 31 de dezembro de 2018, tendo como reivindicações, entre outros, o descongelamento das progressões na carreira e o aumento do salário base dos enfermeiros.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.