A+ / A-

Igualdade na divisão de tarefas domésticas? Só daqui a cinco gerações de homens

12 fev, 2019 - 15:15 • Lusa

Contributo do pai para cuidar e educar os/as filhos/as não sofreu "nenhuma evolução em relação à geração anterior", destacam autores do estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-

Portugal precisa de pelo menos cinco gerações para os homens partilharem as tarefas domésticas em igualdade com as mulheres, que, na maioria, assumem, num estudo revelado esta terça-feira, estar sempre ou quase sempre "cansadas".

"O trabalho não pago feito em casa continua a ser um assunto de mulheres" e "dificilmente essa realidade se alterará num futuro próximo, a menos que sejam tomadas medidas drásticas", reflete o estudo "As mulheres em Portugal, hoje", coordenado por Laura Sagnier e Alex Morell, e com uma amostra de 2.428 mulheres com idades entre os 18 e os 64 anos e residentes em Portugal, entrevistadas em maio de 2018, através da internet.

"Se as contribuições dos homens em relação à execução das tarefas domésticas continuarem a evoluir ao ritmo da última geração, serão necessárias entre cinco a seis gerações para que se alcance uma distribuição paritária das tarefas domésticas entre mulheres e homens, nos casais em que ambos têm trabalho pago", determina o estudo, encomendado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos à consultora PRM, que será apresentado publicamente esta terça-feira, em Lisboa.

O grupo de mulheres para quem a conciliação entre vida pessoal, familiar e profissional é mais difícil é o das que têm filhos menores e pessoas parceiras - para estas, o tempo despendido em trabalho não pago (6h12 em tarefas domésticas e filhos/as) é quase tanto como em trabalho pago (7h18, em média).

Na verdade, para as mulheres que têm trabalho pago e filhos/as, tanto faz viverem em casal ou sozinhas, dado que gastam as mesmas horas com tarefas domésticas. Mais de metade do tempo que passam acordadas em casa é gasto a cuidar do lar e da família.

Apesar de os homens partilharem mais as tarefas relacionadas com os/as filhos/as do que as domésticas, essa função continua a recair sobretudo sobre as mulheres: as mães têm o triplo do trabalho com os filhos.

O contributo do pai para cuidar e educar os/as filhos/as não sofreu "nenhuma evolução em relação à geração anterior", destacam os autores do estudo.

Este cenário de desequilíbrio choca com a constatação, no estudo, de que as mulheres contribuem em igualdade de circunstâncias para as despesas familiares. "Enquanto a maioria dos homens continua a ter um papel muito passivo em relação às tarefas não pagas, respeitantes ao cuidado da casa e dos/as filhos/as, muitas mulheres assumiram um papel mais ativo na contribuição para as despesas familiares", lê-se.

Mais ainda quando, na maioria dos casais, há um "desequilíbrio expressivo de rendimentos": em 46% dos casais mulher-homem, ela tem menos rendimento.

Face a esta situação, não é de estranhar que a maioria das mulheres reconheça estar sempre ou quase sempre "cansada", para o que contribui a "situação de desequilíbrio permanente e sustentado" que "enfrentam diariamente".

Dez por cento das mulheres declaram mesmo estar "esgotadas" - estas têm uma média de idades de 57 anos, metade tem trabalho pago e mais de um terço são funcionárias públicas; 47% assumem que não trabalhariam se não precisassem do dinheiro e 40% pararam de estudar quando concluíram o ensino básico.

O estudo divide as mulheres em vários tipos, de acordo com as atitudes perante a vida, sendo que as mais prevalecentes têm "tudo sob controlo" (18%). Se juntarmos às mulheres "esgotadas" as "resignadas" (11%) e as "em luta" (13%), juntas representam um terço.

Ainda assim, 47% das mulheres portugueses dizem sentir-se felizes ou muito felizes com a sua vida, sendo que as razões de maior felicidade são: filhos/as; netos/as; amigas/os.

A pessoa parceira é, porém, o fator que maior influência tem na felicidade ou infelicidade das mulheres - entre as inquiridas, 73% têm uma pessoa parceira e 57% vivem com ela; 71% têm um parceiro homem. "É possível afirmar que esta investigação confirma o ditado popular 'mais vale só do que mal acompanhada'", dizem os autores.

Do outro lado, há 33% que assumem ser infelizes, sendo que os motivos de maior infelicidade são: descendentes de anteriores relações das pessoas parceiras; aspeto físico; trabalho pago.

"Não se pode dizer que as mulheres se sintam particularmente realizadas com o trabalho pago, em Portugal", observam os autores do estudo. Entre as inquiridas, 51% estão infelizes com o trabalho que têm e para 44% o trabalho está abaixo ou muito abaixo das expectativas. Dois terços auferem menos de 900 euros líquidos por mês, um terço não tem vínculo contratual estável e 26% trabalham mais de 40 horas.

As mulheres com mais escolaridade -- considerada determinante na atitude perante a vida - têm salários mais altos (84% das filhas têm um nível de escolaridade superior ao das mães).

O estudo revela que "a maternidade não é garantia de felicidade para as mulheres", embora 82% das mães se sintam realizadas com os seus descendentes. Das inquiridas 53% têm filhos/as (destes, 52% têm mais do que um/a) e 27% têm intenção de ter, mas 9% nunca quiseram tal opção.

Os autores do estudo assumem que pretendem influenciar as políticas públicas, mas sobretudo fornecer as mulheres mais jovens com dados sobre as "implicações" que o trabalho pago, as pessoas parceiras e os/as filhos/as terão nas suas vidas.

"A situação vivida por muitas mulheres atualmente é insustentável, a vários níveis", podendo ter "um impacto significativo na natalidade, no absentismo laboral, nos sistemas de proteção social, na educação das crianças e jovens e nos índices de divórcio", concluem os autores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Gonçalves
    12 fev, 2019 Algueirão 16:41
    Este artigo precisava de dar mais informações sobre os coordenadores, identificar outros membros da equipa, informar sobre quem é a PRM, sobre as metodologias usadas e finalmente informa sobre o meio - Internet - mas não diz se as entrevistas foram por escrito ou por video chamada. Paulo.
  • Pedro Gameiro
    12 fev, 2019 Tomar 15:56
    Este estudo não refelte a realidade... Primeiro, se não houve nenhuma evolução dos nosso spais para nós (que a meu ver não é verdade...) como se explica que dentro de 5 gerações possa haver a tal paridade? Não percebo como não há evolução mas ao memso tempo se afirma que os homens atualmente partilham mais as tarfas da casa e filhos... Como se pode incluir as mulheres até aos 64 anos e ao mesmo tempo fazer a comparação com a geração anterior, se essa mesm geração está incluida na amostra? Termino deixando uma simples sugestão... Se se dão ao trabalho de questionar a mais de 1000 mulheres, porque não comfrontar tambem os homens sobre a sua opinião acerca o assunto... Algo me diz que algures pelo meio se deve encontrar o real valor...