A+ / A-

Ninguém quer que o Alentejo fique "a ver passar comboios"

11 fev, 2019 - 14:59 • Rosário Silva , Filipe d'Avillez

Na adjudicação da obra do primeiro troço da linha que vai ligar Évora a Elvas, e que vai custar cerca de 46,6 milhões de euros, o Governo quis mostrar que está a apostar no investimento para que Portugal resista ao arrefecimento económico mundial.
A+ / A-

O primeiro-ministro garantiu esta segunda-feira que o seu Governo vai continuar a privilegiar o investimento público, numa altura em que se assiste “ao arrefecimento” da economia internacional.

António Costa falava em Redondo, no distrito de Évora, na cerimónia de adjudicação da empreitada para a construção do novo troço ferroviário Évora Norte/Freixo. Uma cerimónia com apelos ao executivo para que o Alentejo não seja esquecido e não fique a “ver passar os comboios”.

O presidente da CM do Redondo, António Reto, lançou o alerta: “Porque nem o senhor primeiro-ministro, nem certamente ninguém que está nesta sala pretende, com a conclusão desta obra, que os alentejanos desta região fiquem a ver passar comboios”.

O ministro das infraestruturas, Pedro Marques, anuiu: Nem querem os autarcas, nem o Governo, nem a Infraestruturas de Portugal, que o Alentejo veja os comboios passar.”

E o primeiro-ministro garantiu: “É por isso que é fundamental que esta linha não seja uma obra para que quem cá vive fique a ver os comboios passar”.

Na adjudicação da empreitada para a construção do novo troço ferroviário, com um custo previsto de 44.6 milhões de euros, e que será o primeiro de três da ligação Évora e Elvas, no corredor internacional Sul, António Costa disse que é necessário recuperar o tempo perdido com um projeto que, considera, vai melhorar a competitividade externa e a coesão interna.

"Se é muito importante melhorarmos a competitividade externa, é absolutamente essencial melhorarmos a coesão interna e para isso é necessário que cada território seja capaz de extrair todo o potencial que esta nova infraestrutura oferece", disse o primeiro-ministro, que elege o investimento público como prioridade e diz que não quer ser apanhado desprevenido num cenário de arrefecimento da economia internacional.

Pedro Marques elogiou também o investimento do Governo neste campo e diz que de agora em diante só vai melhorar. “O Ferrovia 2020, a meio do seu percurso de execução, tem cerca de 40% das suas obras em fase de execução. É completamente razoável, normal e é aquilo que nos vai permitir que, chegados ao fim do programa, tenhamos de facto os dois mil milhões de euros de investimento realizado.”

“Eu disse o ano passado que 2018 seria o ano da velocidade de cruzeiro do Ferrovia 2020. Qual foi o resultado em 2018? Aumentámos 80% o investimento público em ferrovia comparado com o ano anterior. E este ano tem de subir mais, e vai subir mais nos próximos anos, até à conclusão do programa, porque naturalmente é um programa de grande ambição de investimento, aquele que estamos a realizar, em que mobilizámos o melhor da Infraestruturas de Portugal, da capacidade técnica da engenharia nacional, para podermos realizar um programa que não tem paralelo nas últimas décadas no nosso país”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.