A+ / A-

Corredor Internacional Sul. Costa adjudica mais um troço ferroviário

11 fev, 2019 - 06:45 • Rosário Silva

A linha de Évora integra o Corredor Internacional Sul, cuja concretização tem grande importância na ligação dos portos do sul do país e da rede ferroviária nacional a Espanha.
A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, desloca-se, esta segunda-feira, ao concelho de Redondo para a adjudicação da empreitada de construção do troço ferroviário entre Évora Norte e Freixo, da nova ligação Sines/Caia.

O troço Évora Norte- Freixo, da linha de Évora, tem uma extensão de 20,5 quilómetros e o concurso para a sua construção foi lançado há cerca de um ano, com o preço-base de 65 milhões de euros. Integra o futuro Corredor Internacional Sul que a Infraestruturas de Portugal (IP) desenvolve no âmbito do Plano de Investimentos para a Modernização da Rede Ferroviária Nacional, Ferrovia 2020.

Este troço vai ser complementado com a construção da ligação entre Freixo e Alandroal, também com 20,5 quilómetros, cujo concurso foi lançado na segunda quinzena de março do ano passado, com um valor-base de 105 milhões de euros.

O corredor contempla, ainda, a construção do troço entre Alandroal e a linha do Leste, numa extensão de 38,5 quilómetros, cujo concurso foi publicado em abril de 2018, com um valor base de 220 milhões de euros.

Segundo a empresa pública responsável pela gestão das redes rodo e ferroviária nacionais, a Linha de Évora, no total vai ter uma extensão de cerca de 100 quilómetros, 80 dos quais de construção nova, em via única eletrificada. Integra o Corredor Internacional Sul cuja concretização se reveste de grande importância na ligação dos portos do sul do país e da rede ferroviária nacional a Espanha, nomeadamente na ligação a Badajoz.

“A maior obra de linha ferroviária nova dos últimos 100 anos”

A 5 de março de 2018, o primeiro-ministro António Costa e o então presidente do Governo de Espanha, Mariano Rajoy, assinalavam, em Elvas, o início das obras do Corredor Ferroviário Internacional Sul, com o lançamento do concurso para o troço Évora-Elvas e o começo dos trabalhos no troço Elvas-Caia, na estação ferroviária de Elvas.

“É a maior obra de linha ferroviária nova dos últimos 100 anos”, dizia António Costa, sobre uma obra que integra o corredor ferroviário que tem como inicio Lisboa, Setúbal e Sines e como destino Badajoz, em Espanha, o que implica a construção de 105 quilómetros de via férrea entre Évora e a fronteira. A ligação, segundo o primeiro-ministro, vai “reduzir em 30% os custos” de quem recebe mercadorias, “reduzindo em 3h30 o transporte e vai encurtar a distancia em 140 quilómetros.”

O projeto insere-se no Plano Ferrovia 2020, que prevê, na globalidade, obras em 1200 quilómetros de via e um investimento superior a dois mil milhões de euros. Os investimentos principais estão a ser realizados nos corredores internacionais (Linha do Minho, da Beira Alta, da Beira Baixa, do Sul e do Leste) e incluem também a modernização e/ou eletrificação nas linhas do Douro, Oeste, Algarve e Cascais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.