A+ / A-
47 dias para o Brexit

Cinco exigências dos Trabalhistas para dizer ’sim’ ao Brexit

10 fev, 2019 - 15:20 • ​​Marília Freitas​ com Reuters

Jeremy Corbyn admite aprovar o acordo do Brexit, mas quer cinco garantias de Theresa May.
A+ / A-

Veja também:


Bastam cinco cedências para que Jeremy Corbyn apoie o acordo de Theresa May para o Brexit. O líder do Partido Trabalhista, atualmente na oposição, escreveu uma carta à primeira-ministra britânica na qual apresentou cinco exigências do seu partido para dizer “sim” ao divórcio com a União Europeia.

Eis as cinco exigências do Partido Trabalhista:

  1. Uma união aduaneira permanente e que abranja todo o país
  2. Um alinhamento próximo com o mercado único europeu, sustentado por instituições e obrigações partilhadas
  3. Que os direitos e proteções britânicas em matérias como o trabalho e ambiente nunca fiquem abaixo das regras europeias
  4. Manter a participação do Reino Unido em agências da União Europeia e programas de financiamento europeu, incluindo em domínios como o ambiente, a educação e a regulamentação industrial
  5. Continuidade da cooperação com a UE em matéria de segurança, incluindo o acesso ao mandado de detenção europeu

Na mesma carta, Jeremy Corbyn pediu que estas exigências devem ser legisladas antes da saída do Reino Unido da União Europeia.

O líder da oposição reiterou ainda que não quer uma “fronteira rígida” na Irlanda do Norte, acrescentando que devem ser dados todos os passos para evitar um Brexit sem acordo.

No mês passado, os deputados britânicos rejeitaram o acordo original negociado entre Londres e Bruxelas e pediram mudanças no tratado. A saída do Reino Unido da UE está marcada para 29 de março.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo Fernandes
    11 fev, 2019 Montijo 10:18
    "Portuguesmente" falando, querem ficar com a carninha, e os ossos que os comam os membros da união...