A+ / A-
Violência Doméstica

Associações disseram a Marcelo que sistema judicial tem que "parar os agressores"

08 fev, 2019 - 21:13 • Celso Paiva Sol , com redação

Seis organizações recebidas pelo Presidente da República reconhecem que a legislação em Portugal evoluiu muito em matéria de violência doméstica, mas acusam o Estado – e em especial os tribunais – de não a saberem aplicar.
A+ / A-

Veja também:


Satisfeitas com o sinal que o mais alto magistrado da nação deu ao convocá-las, as associações que trabalham no apoio às vítimas de violência doméstica disseram esta sexta-feira a Marcelo Rebelo de Sousa que falta cumprir a lei.

As seis organizações convidadas pelo Presidente da República reconhecem que a legislação em Portugal evoluiu muito nesta matéria, mas acusam o Estado – e em especial os tribunais – de não a saberem aplicar.

A presidente da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), Maria José Magalhães, diz que o sistema falha, porque viola os direitos humanos.

“É preciso que o trabalho excelente que tem sido feito com as vítimas e os apoios e recursos que existem, que haja um trabalho também de parar os agressores, de responsabilizar os profissionais, nomeadamente no sistema judicial, que não cumprem a lei, os direitos humanos nem as recomendações internacionais e põem em causa a segurança e a proteção das vítimas”, afirma Maria José Magalhães.

“Na nossa análise, os tribunais não têm parado a violência. Face a estes crimes contra as pessoas, não existe a mesma atitude que existe face à propriedade”, apela a presidente da UMAR.

O presidente da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), João Lázaro, considera que é tudo uma questão de burocracia, de saber quem faz o quê.

“Mais do que criar novos edifícios, mais legislação, nós batalhamos por conferir mais eficácia ao que existe. Muitas vezes é a questão de quem é que fala com quem, de quem é que faz o quê no processo”, sublinha João Lázaro.

As associações recebidas pelo Presidente da República mostram-se satisfeitas pelas diversas reações que sentiram ao longo da semana, depois de um mês em que foram assassinadas nove mulheres e uma criança em contexto de violência doméstica. De Belém dizem levar mais animo para continuar a trabalhar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    10 fev, 2019 Loures 18:01
    Os maiores agressores estão no sistema judicial, repleto de Netos da Moura!
  • Civilização em perigo
    10 fev, 2019 Almada 11:30
    Acho grave esta frase: "(...) mas acusam o Estado – e em especial os tribunais – de não a saberem aplicar". Eu pergunto se os tribunais apenas NÃO sabem aplicar legislação relativa a violência doméstica? É MUITO estranho haver apenas uma excepção! E estas associações NÃO se preocupam com os outros? Informo também que os tribunais não podem fazer leis.
  • Felicia
    09 fev, 2019 Lisboa 14:20
    Estes movimentos são alegadamnete lesivos da coesão social deveria pensar mais em prevenir q punir.Há violência a separação é a única solução pois de resto nada é eficaz.Prender retirando mais valia ao mercado ou punir pecuniariamente não são soluções.A acao é estar atento apoiar e separar .Terá o ESTADO verba para tal.Qto aos direitos humanos recordo q EUA se retiraram do respetivo comité da ONU por uso abusivo e oportunista.