A+ / A-

Cristãos na Síria já são apenas 2%. “O quadro é cada vez mais crítico”

06 fev, 2019 - 12:23

Para além da guerra civil, que levou à imigração de muitos cristãos, existe ainda a questão da baixa natalidade entre esta comunidade. Depois da Segunda Guerra Mundial um em cada quatro sírios era cristão.
A+ / A-

Á percentagem de cristãos na Síria caiu de cerca de 6% antes da Guerra Civil para 2% na atualidade.

Em entrevista à Rádio Vaticano o cardeal Mario Zenari, núncio apostólico na Síria, diz que o quadro é “cada vez mais crítico” naquele país.

O número concreto de cristãos na Síria tem sido alvo de especulação nos últimos anos em que a país árabe tem estado a braços com uma sangrenta guerra civil. Era aparente que muitos cristãos estavam a fugir para países vizinhos ou para o ocidente, mas esta é a primeira vez que alguém com autoridade e conhecimento da realidade no terreno avança com um número.

Atualmente a situação para os cristãos é menos dramática na Síria. As forças do regime, que é apoiado pela maior parte da comunidade cristã, controla novamente a maioria do território. No nordeste o domínio pertence às Forças Democráticas da Síria, uma coligação de milícias liderada pelos curdos mas que inclui os cristãos e onde estes não são perseguidos. Só no norte, junto à fronteira da Turquia, é que permanecem grupos fundamentalistas islâmicos e junto ao Rio Eufrates continua a existir uma pequena bolsa de resistentes do Estado Islâmico.

Segundo o núncio apostólico, todavia, não é apenas a guerra que é responsável pela queda do número de cristãos relativa à população em geral. O cardeal Zenari culpa também os baixos índices de natalidade entre os cristãos e aponta para o facto de, depois da Segunda Guerra Mundial, a população cristã ter sido de 25%, tendo caído para cerca de 6% antes da guerra civil.

A declaração do núncio apostólico na Síria foi registada durante a visita de Zenari à Hungria onde participou no lançamento da iniciativa “Hospitais abertos”, que visa o financiamento de cuidados médicos para cerca de 4.500 pacientes em estruturas de saúde da Síria no período de um ano, informa a fundação Ajuda à Igreja que Sofre, que tem várias atividades na Síria e tem contribuído para criar condições para os cristãos permanecerem naquele país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.