A+ / A-

Papa disponível para mediar crise política na Venezuela

05 fev, 2019 - 18:00 • Aura Miguel com redação

Francisco também disse que encontrou “boa vontade”, durante as reuniões privadas com líderes dos Emirados Árabes Unidos, para o início de um processo de paz destinado a acabar com a guerra no Iémen.
A+ / A-
Papa oferece mediação para crise política na Venezuela
Papa oferece mediação para crise política na Venezuela

Veja também:


O Papa Francisco manifestou esta terça-feira a disponibilidade do Vaticano para mediar a crise política na Venezuela, se as duas partes o solicitarem.

Em declarações aos jornalistas na viagem de avião de regresso dos Emirados Árabes Unidos, o Papa confirmou que o Presidente Nicolás Maduro, contestado pelo Presidente interino, Juan Guaidó, lhe escreveu uma carta, que Francisco ainda não leu.

“Vou ler a carta e ver o que pode ser feito, mas a condição inicial é que ambos os lados o peçam. Nós estamos à disposição”, garantiu o Sumo Pontífice.

O Papa sublinha que a mediação formal do Vaticano deve ser encarada como um último passo da diplomacia para tentar resolver o braço de ferro.

Francisco defende que é preciso dar passos prévios, tanto pelo Vaticano como por outros membros da comunidade internacional.

Nicolás Maduro disse na segunda-feira, à televisão italiana Sky TG24, que enviou uma carta ao Papa a pedir “ajuda no processo de facilitação e reforço do diálogo” na Venezuela.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Portugal também já reconheceu o jovem político como Presidente interino.

Nicolás Maduro, 56 anos, chefe de Estado desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300 mil portugueses ou lusodescendentes.

“Boa vontade” para acabar com a guerra no Iémen

Nestas declarações aos jornalistas a bordo do avião, o Papa Francisco também disse que encontrou “boa vontade”, durante as reuniões privadas com líderes dos Emirados, para o início de um processo de paz para acabar com a guerra no Iémen.

“Eu falei sobre essa questão, mas apenas com algumas pessoas”, respondeu o Papa, questionado se abortou o tema com o príncipe herdeiro Sheikh Mohammed bin Zayed al-Nahyan e outros responsáveis.

“Devo dizer que encontrei boa vontade para iniciar o processo de paz”, salientou Francisco.

Os Emirados Árabes Unidos integram a coligação liderada pela Arábia Saudita que combate os houthis no Iémen.


guialiga19_20_banner
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.