A+ / A-

​O dono de um cão mudou a bagageira de um carro a pensar no melhor amigo do homem

01 fev, 2019 - 19:28 • José Carlos Silva

Um terço dos condutores de cinco países europeus transportam animais soltos dentro do carro.
A+ / A-

A sondagem interessa à Ford. Que a divulga para convencer os condutores a continuarem a viajar com cães, em segurança e em veículos, obviamente, da marca norte-americana.

O estudo de opinião foi realizado em novembro, junto de 5 mil condutores, donos de cães, na Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido.

Segundo este estudo, 1 em cada 3 condutores colocam em risco a sua segurança e a dos seus passageiros e utentes da estrada.

Entre os vários donos de cães inquiridos, que afirmaram que nem sempre transportam os seus animais em segurança, 32 por cento disse que era porque os animais não gostavam, 31 por cento referiu não haver necessidade em deslocações curtas e 14 por cento disse não ter espaço para uma casota de transporte.

Calcula-se que em caso de embate a 40 quilómetros por hora, um cão solto no habitáculo é projetado com forças 40 vezes superiores ao seu peso.

O estudo serve os propósitos da Ford, que garante ter incluído na conceção da nova Focus Station Wagon as preocupações de quem tem cães e gosta de passear com eles de carro.

Com a ajuda de Rene Berns, Engenheiro da Ford que é tutor de Emil, um cão Pastor Australiano a Ford desenvolveu a maior casota de transporte de cães disponível no mercado.

Veja o vídeo aqui:

Ford caixa de transporte
Ford caixa de transporte

O espaço da bagageira da Ford Focus Station Wagon foi maximizado através da compressão da camada de espuma no revestimento do tejadilho, com a alteração do comprimento dos parafusos das dobradiças e com um redesenho da abertura da bagageira.


guialiga19_20_banner
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.