A+ / A-

Audição de Armando Vara adiada devido à greve dos guardas prisionais

28 jan, 2019 - 12:32 • Redação

O ex-ministro está preso em Évora por ter sido condenado no âmbito de outro processo, o Face Oculta. Audição foi remarcada para 5 de fevereiro.
A+ / A-

Veja também:


A fase de instrução do processo Operação Marquês arranca esta segunda-feira com um adiamento: Armando Vara era para ser ouvido na terça-feira, mas a greve dos guardas prisionais impede que se desloque a Lisboa.

A informação foi confirmada à Renascença por fonte do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, onde decorre esta fase do processo que visa determinar se o caso segue ou não para julgamento.

A audição de Armando Vara foi remarcada para 5 de fevereiro, avança fonte judicial citada pela agência Lusa.

Por sorteio eletrónico calhou, precisamente há quatro meses, ao juiz Ivo Rosa dirigir esta fase processual. O magistrado já marcou diligências até maio, sempre nas tardes dos últimos três dias de cada mês, prevendo-se que a decisão final seja conhecida perto do final do ano, dado o número de diligências e o número de testemunhas e de arguidos que querem depor.

Na segunda-feira, a primeira arguida a falar é Bárbara Vara, filha de Armando Vara, que está acusada de branqueamento de capitais.

A instrução foi requerida por 19 arguidos, entre os quais o ex-primeiro-ministro José Sócrates, o ex-ministro Armando Vara, os ex-administradores da PT Henrique Granadeiro e Zeinal Bava e o empresário Carlos Santos Silva.

O processo Operação Marquês, que teve início em julho de 2013, resultou numa acusação de 188 crimes, a maioria de branqueamento de capitais, vertida em mais de quatro mil páginas, 134 volumes, mais de 500 apensos e registos de mais de 180 buscas e interceções telefónicas. No total, são mais de 53 mil páginas, espalhadas por duas salas do Tribunal Central.

José Sócrates, que esteve preso preventivamente e em prisão domiciliária e está acusado de 31 crimes económico-financeiros, pediu para depor nesta fase processual.

O ex-ministro está preso em Évora, onde cumpre uma pena de prisão de cinco anos no âmbito do processo Face Oculta.

[notícia atualizada às 16h49]


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.