Tempo
|
A+ / A-

Fernando Medina. Jornadas em Lisboa vão ser "as maiores e melhores de sempre"

27 jan, 2019 - 14:50 • Ana Catarina André (no Panamá), Inês Rocha

A escolha de Lisboa para receber as JMJ em 2022 é uma "enormíssima alegria e um grande orgulho" para o autarca da cidade, que promete estar "à altura de fazer as maiores e melhores jornadas de sempre".

A+ / A-

Veja também:



O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa manifesta uma "enormíssima alegria e um grande orgulho" por a cidade de Lisboa ter sido escolhida para organizar a próxima Jornada Mundial da Juventude, em 2022.

Em entrevista à Renascença, no Panamá, Fernando Medina diz que "sermos o local escolhido pelo Papa Francisco para acolher aquele que é o maior evento mundial de juventude é extraordinário" e promete que a cidade vai estar "à altura de fazer as maiores e melhores jornadas de sempre".

O autarca da capital portuguesa acredita que Lisboa vai precisar de ter "capacidade para acolher muito mais pessoas" do que o Panamá, que esta semana recebeu mais de 100 mil peregrinos do resto do mundo. "Pela nossa geografia, pelo trabalho que vamos fazer e pela forma como vamos apostar neste evento", Medina não tem dúvidas de que esse número será "várias vezes ultrapassado".

O autarca lisboeta adianta mais razões para as Jornadas em Lisboa serem "as maiores de sempre": o "entusiasmo dos jovens de Lisboa, dos portugueses, e dos países mais próximos, como também de todo o mundo".

Medina lembra que "Lisboa hoje é uma capital global, com grande reconhecimento internacional e por ser uma capital de abertura, de tolerância, de paz. Esses são os nossos valores, os valores pelos quais somos conhecidos. São os valores que creio que justificam a escolha do Papa Francisco, que se casam tão bem com os ideais e valores das jornadas. Por isso não tenho dúvidas que vamos ter em Lisboa umas jornadas extraordinárias", afirma o presidente da Câmara.

Medina diz ter a "profunda convicção" de que o evento irá "mobilizar a cidade, a região e também o país". Fernando Medina acredita mesmo que além dos crentes, as JMJ vão mobilizar também "aqueles que não são crentes mas reconhecem hoje, no Papa Francisco, uma liderança moral indiscutível no mundo".

Medina lembra "a forma como o Papa se tem batido pelos direitos humanos e dos mais desfavorecidos, como se tem batido pelo nosso planeta e pela importância do combate às alterações climáticas".

"Num momento em que o mundo vive e conhece retrocessos em todas estas áreas - vemos coisas que nunca julgávamos ver de novo acontecer- o Papa Francisco tem sido a voz mais forte, mais firme, mais importante. Vai ser um momento que nos vai unir muito", considera o autarca.

De visita ao Panamá por ocasião das Jornadas Mundiais da Juventude, Fernando Medina diz ser "único" ver o "sentido de partilha de tantas centenas de milhares de jovens, que vêm de todos os cantos do mundo", e já imagina a cidade de Lisboa a viver algo semelhante.

"É de facto entusiasmante e único ver este sentido de partilha de tantas centenas de milhares de jovens, que vêm de todos os cantos do mundo", revela o presidente da Câmara de Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+