Tempo
|
A+ / A-

Morreu a planta de algodão que a China fez brotar na Lua

17 jan, 2019 - 16:43 • Tiago Palma com Joana Gonçalves

Esta semente foi transportada pela sonda Chang'e 4, a primeira a aterrar no lado oculto da Lua, mas não resistiu aos 170 graus negativos da noite lunar.

A+ / A-
Missão espacial chinesa planta algodão na Lua
Missão espacial chinesa planta algodão na Lua

Na terça-feira, a televisão estatal chinesa CGTN divulgava imagens de uma semente de algodão que havia brotado no lado oculto da Lua. Agora, a CGTN vem confirmar que a semente, plantada numa espécie de "estufa" espacial, acabaria por morrer, não resistindo ao início da noite lunar – que equivale a 14 dias terrestres –, quando a temperatura atingiu os 170 graus negativos.

Esta semente de algodão, assim como outras (da planta de colza, da planta Arabidopsis ou de batata, bem como ovos de mosca da fruta e algumas leveduras), foram transportadas até à Lua pela sonda Chang'e 4 (curiosamente, é o nome da deusa chinesa da Lua), a primeira a aterrar no lado oculto da Lua, com o intuito de criar uma "mini biosfera simples", segundo explicou a agência oficial Xinhua.

Este tipo de experiência com plantas não é, contudo, uma novidade: as primeiras foram plantadas no espaço há mais de 30 anos, quando a tripulação da estação espacial soviética Saliut-7 cultivou a bordo algumas Arabidopsis, que atingiram um ciclo de vida de 40 dias. Na estação russa Mir, entre 1996 e 1997, cultivou-se trigo, e em 2016, a Estação Espacial Internacional conseguiu fazer brotar flores zínias.

A China anunciou na terça-feira a intenção de continuar a expandir o seu programa de exploração do espaço, com o objetivo de coletar amostras na Lua, ainda durante este ano, e em Marte, em 2020.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+