A+ / A-

Trump ameaça "devastar economicamente" a Turquia

14 jan, 2019 - 09:12

Advertência acontece após o apoio dos Estados Unidos ao YPG, grupo armado do Curdistão, que a Turquia reconhece como terroristas.
A+ / A-

As relações entre os dois países da NATO estão tensas. Os Estados Unidos apoiam a Unidade de Proteção Popular (YPG), grupo armado da região do Curdistão, que a Turquia afirma fazerem parte do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização que o Governo turco afirma usar terrorismo contra civis para atingir o seu fim – a independência do Curdistão.

Na rede social Twitter, o Donal Trump ameaçou "devastar economicamente" a Turquia, se esta atacar os YPG, um aliado dos EUA no norte da Síria.

O porta-vos do Presidente turco respondeu, também no Twitter, que “os terroristas não podem ser parceiros e aiados”.

A crise diplomática entre os dois países teve início no ano passado, quando Trump impôs sanções a dois ministros de Erdogan e aumentou as taxas sobre as exportações de metais da Turquia, que atirou a lira turca para um mínimo recorde.

No final de 2018, Donald Trump comunicou que iria dar início à retirada de miliares da Síria, afirmando que a missão de derrotar o auto-proclamado Estado Islâmico estava cumprida. Desde esse momento, surgiram várias vozes críticas a essa medida e a retirada acabou por ser apenas de equipamentos e não de tropas.

O diretor de comunicação de Erdogan, Fahrettin Altun, disse que a “Turquia vai continuar a sua luta contra o terrorismo” e que é um defensor dos curdos, não o seu inimigo.

“Terror é terror e deve ser combatido na sua origem. Isso é exatamente o que a Turquia está a fazer na Síria”, escreveu Fahrettin Altun no Twitter.

A Turquia tem combatido grupos armados em Afrin, na Síria, ao longo dos últimos dois anos, e ameaça avançar para outras regiões.

As Forças Democráticas da Síria, apoiadas pelos EUA, afirmaram no passado domingo que militantes do auto-proclamado Estado Islâmico “vivem os últimos momentos" no último enclave que mantêm perto da fronteira com o Iraque.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.